SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 14 Junho 2021, 17:03

De médicos (veterinários) e loucos, todos temos um pouco

Muitos passam. Muitos olham. Muitos ouvem. Poucos vêem…

Por: Dr.ª Telma Gomes

Muitos passam. Olham fu- gazmente, o som é ensurdecedor, e o cheiro é o típico, normal e expectável. Dezenas de cães, de cada lado dos corredores, ladram e mostram a euforia de quem quer sair dali, de quem procura quem os abandonou à sua sorte. Muitos passam. Olham e ouvem. Mas poucos vêem. Dentro de uma boxe, com um número variável de animais, é difícil ver, claramente, um indivíduo. Vê-se o conjunto, um alvoroço, muito barulho. Há quem entre com uma expectativa romanceada de que, num abrigo, existem poucos animais, e que todos estão tranquilos e ficarão silenciosos à passagem de um estranho. Há quem não queira saber, que apregoe a quem quiser ouvir o seu amor por animais e vá adquirir a locais de venda na Internet o Lulu mais barato que encontrar, por curtas centenas de euros. Até pode nem conhecer a proveniência do animal em causa, “mas não faz mal”, porque o objetivo era mesmo ter um cachorrinho pequenino, branquinho e de pelo fofinho para o Natal.
Muitos passam. Muitos olham. Muitos ouvem. Poucos vêem. A mudança de comportamento de cada animal, de cada indivíduo dentro e fora da boxe é absolutamente impressionante. Na boxe, todos são um conjunto, uma matilha eufórica e ruidosa, fora dela, cada indivíduo se expressa como tal: uma enorme carência de carinho. Uma enorme vontade de agradar. Os “velhos”, os “feios”, tornam-se belos, de felizes. Os olhares enchem o coração de quem ousa retribuir o olhar, verdadeiramente. Há aqueles que, simplesmente, saltam para o colo do incauto que se aproximar, como se, desde sempre, o colo de um humano fosse o seu lugar. O cachorrinho pequenino, branquinho, de pelo fofinho para o Natal, lem- bram-se? Cresceu e, quem diria, ladra! Está na boxe 10, foi atirado para dentro do abrigo. É adulto, hoje. Menos adotável. Menos fofinho. Foi trocado por outro, e os mimos que eram exclusivamente seus, são agora escassos, partilhados por uma centena de outros animais. Arrisco-me a afirmar que esta é a realidade dos abrigos para animais, um pouco por todo o país. Todos passam, olham e ouvem. Raros são os que vêem. Abundantes são os que ficam.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados