SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 25 Junho 2021, 13:41

De médicos (veterinários) e loucos, todos temos um pouco

Adotar um cão adulto

Por: Telma Gomes

Na última vez, referi alguns pontos-chave no que toca à adoção de cachorros. Hoje escrevo sobre a adoção de cães adultos. Não torça já o nariz, conclusões só no fim do texto. Abordando o que salta à primeira vista, os caracteres físicos do animal, quando decidimos acolher um cão adulto, já sabemos aquilo em que nos estamos a meter. Não há razão para as desculpas típicas: “cresceu demais”, “era branquinho e agora ficou amarelo e eu queria mesmo era um animal branco”, “tinha o pêlo lisinho e macio e agora parece um esfregão de arame, não gosto de lhe dar festas”, “os olhos eram azuis e agora são amarelos”. Parece ridículo? Experimente ouvi-las, mantendo a expressão facial normal e um discurso politicamente correto. Outro fator muito importante na adoção de um animal é o seu caráter. Uma grande vantagem de adotarmos um cão adulto é que a sua “personalidade” já está definida. Quando adotamos um cachorro, embora desde logo consigamos reconhecer alguns traços de carácter, o facto é que aquilo em que se tornará quando crescer é uma incógnita, muito dependente da nossa capacidade de educá-lo e treiná-lo. Este facto reveste-se de particular importância para quem tem um cão pela primeira vez:
nem sempre é fácil treinar um cachorro de carácter forte, tornando-o num cão equilibrado. É verdade que adotar um animal adulto pode ser mais complicado numa casa já com outros animais. Mas é um grande mito pensar-se que não se irá adaptar à nova casa e às novas regras: da minha experiência pessoal, e da experiência que tenho ouvido de outras pessoas, os cães adultos não têm anormais dificuldades de adaptação. Pelo menos, se compararmos com os meses que demoramos a educar um cachorro. E quanto às necessidades? É impressionante como, intuitivamente, os animais sabem que a casa de banho é na rua. Passeie o seu cão mais vezes nos primeiros tempos e premeie-o sempre que fizer o que se pretende. Terá a sua vida facilitada. Ah! E respire de alívio: os adultos têm a função “máquina destruidora” já um pouco desgastada pelas aventuras da juventude. Em princípio, os sofás e os chinelos sobrevivem, embora seja importante assegurar que têm um ambiente estimulante, com brinquedos à disposição. Posto isto, só fica a faltar um pormenor. “O” pormenor: os cães adultos sabem que são adotados, sabem que receberam uma nova oportunidade: são-lhe eterna e incondicionalmente gratos por isso. Aproveite.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados