SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 14 Junho 2021, 19:14

O “Adeus” do Prof. Raul ao atletismo da UDRZA

p1-f1_13-08

Há quantos anos está ligado à Zona Alta?

Iria fazer no próximo dia 2 de Setembro 13 anos.

Porque se apaixonou pelo atletismo?

Desde os meus 10/11 anos, na escola eu era um dos melhores atletas e os professores de Educação Física da altura deixavam-me sempre treinar atletismo nas suas aulas. O bichinho de correr acabei-o por transmiti-lo aos meus filhos. Depois como responsável pela secção e o “cérebro” das corridas organizadas em Torres Novas vibrei ainda mais, querendo fazer sempre melhor. Como é um desporto diferente, sem conflitos, aplaudem-se vencedores e vencidos, sem as “guerras” que se vivem nos desportos colectivos.

Como aparece na ZA e depois se torna o responsável pela Secção?

Naturalmente. Primeiro foram os meus filhos os “culpados” depois foram as amizades que se criaram na Sede da colectividade.

Como foi possível, com tanta falta de apoio, projectar o atletismo torrejano a nível nacional?

Quer se queira ou não, em primeiro lugar são os resultados. Neste momento a ZA tem um “lote” de atletas jovens de grande valia, alguns já provocaram “escândalo” outros estão na calha. Além disso a equipa da ZA é uma das mais numerosas a nível nacional e isso causa respeito e admiração pelas equipas adversárias e organizadores de provas que pretendem a nossa presença nas suas corridas.

Como se “fabricar” um atleta campeão?

É uma questão difícil de responder, mas pela minha experiência penso que é a conjugação de uma série de factores que vão desde as apetências físicas e psíquicas às condições de treino como infra-estruturas e ainda ao facto de se possuírem treinadores qualificados.

Tendo a actividade de Professor, como conseguiu ao longo de tantos anos conciliar as duas coisas?

Só não consegue conciliar quem não quiser. È obvio que nos dias de hoje é difícil arranjar pessoas que trabalhem de borla e na maioria das situações os que aparecem é por oportunismo. Ora no caso do atletismo como os treinos se realizam ao final da tarde e as provas se disputam ao fim de semana, consegue-se chegar a todo o lado. Quando aparecem imprevistos fala-se com os outros directores ou com os treinadores e todos auxiliam. O meu grande “braço direito” no último ano foi o Luís Sénica.

Tal dedicação e empenho, obrigou-o a deixar para 2.º plano a Família? Sim ou não?

Quem assume um compromisso já sabe que por vezes se geram situações desagradáveis, abdicando-se de uma parte das férias, não passando a maioria dos fins-de-semana com a família ou mesmo não se sentando à mesa por vezes com os seus entes mais queridos. No meu caso, tudo isto se passou mas fico de consciência tranquila uma vez que tudo fiz pelos atletas o contrário é que nem sempre aconteceu. Tenho exemplos de situações em que só os próprios atletas teriam a usufruir dos benefícios da sua participação e eles ou os respectivos pais não estiveram para se sacrificar com um dia ou dois de férias.

Não tendo Torres Novas uma Pista de Atletismo, onde treinam os seus atletas?

Quando as condições climatéricas o permitem treinam na pseudo-pista do estádio Dr. Alves Vieira. Com a queda das primeiras águas fica impraticável, sendo os treinos, na maioria das situações cancelados. Por vezes vão para a estrada mas é sempre um risco enorme.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados