SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 23 Junho 2021, 12:54

Mensagem de Natal 2018 O Natal pede acolhimento

O ‘Acolhimento’ é uma disposição virtuosa, pensada e assumida ou então é um bom hábito adquirido em família, uma disposição cultural, um gosto de viver recebendo os outros. Existe o acolhimento como qualidade profissional, no atendimento público, mas não menos importante é o acolhimento que caracteriza uma pessoa que assim se manifesta dando lugar aos outros, escutando-os e considerando-os.

Na verdade, só existe acolhimento se houver pessoas acolhedoras. A vida humana pede acolhimento para se realizar. A nossa existência é marcada pelo acolhimento, pois na verdade se não nos tivessem acolhido à nascença não teríamos subsistido. Porém, para que uma pessoa tenha capacidade de acolher é necessário que, para isso, tenha tempo e espaço, a começar no coração. Eis aqui, as dificuldades do nosso tempo que são ‘não haver tempo ’e ser estreito ou fechado o ‘espaço’ do coração. A Sagrada Escritura revela-nos um Deus surpreendente, vivo e santo, que vai ao encontro do homem para nele encontrar acolhimento. Abraão acolheu três homens cansados e esfomeados que passavam junto da sua tenda e descobriu que aquelas três figuras eram a presença e a Bênção de Deus (cf Gen 18,1-19). Jesus não teve, em Belém, acolhimento para nas cer senão no espaço de um curral de animais (cf. Lc 2,1-7). Um dia, no monte das Oliveiras, Jesus chorou voltado para Jerusalém porque não encontrou nela acolhimento (cf. Lc 19,41-45); aquela cidade não reconheceu Aquele que lhe podia dar a paz. No último Livro da Bíblia, o Apocalipse, somos exortados a estar vigilantes para acolher Deus que se aproxima da nossa porta: “Eu estou à porta e chamo. Se alguém ouvir a minha voz e Me abrir a porta, entrarei em sua casa, cearei com ele e ele comigo” (Ap 3,20). Esclarece o Evangelho de S. Mateus: “Quando o Filho do Homem vier na sua glória (…) dirá aos da sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era peregrino e recolhestes-me, estava nu e destes-me que vestir, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ter comigo” (Mt 25, 31-36). O acolhimento é, assim, condição para que haja Natal. Quis Deus aparecer no mundo como criança para provocar em todos a capacidade de O acolher. Vamos celebrar o Natal em pleno Ano Missionário. Neste contexto, o desafio de tornar presente Deus no mundo, começa pela nossa capacidade de O acolhermos. Quando nasceu Jesus em Belém, a escravatura era prática legal. Ele deu a vida para defender a dignidade de cada pessoa, mas a sua Palavra é desprezada e, por isso, não faltam no mundo ‘reinos’ de mentira, injustiça, indiferença, ódio e incapacidade de amar. Não faltam no mundo guerras, tensões e injustiças que têm como efeito, na atualidade, a existência de dezenas de milhões de pessoas em situação de escravatura e outras dezenas de milhões a viverem em campos de refugiados. O Natal pede o acolhimento d’Aquele que nos pode dar a paz, acolhimento de uma outra proposta, uma nova luz, um outro olhar, uma nova contemplação, um novo sonho, uma nova consideração pelos nossos semelhantes. O Natal é uma oportunidade para assumir um ideal justo e positivo para a construção da vida e da sociedade. O mundo tem necessidade da verdade e da ternura de Deus. O acolhimento do Menino de Belém dispõe-nos à renovação da vida na alegria da Fé, traduzida em acolhimento e serviço por amor. Dispõe-nos a assumir “a missão de ser Luz do mundo e Sal da terra”. A todos os diocesanos, famílias, comunidades cristãs, movimentos de apostolado, cristãos leigos, religiosos e religiosas, seminaristas, diáconos, aos irmãos sacerdotes, com a especial responsabilidade de promover as celebrações do Natal com a maior beleza; aos irmãos doentes, idosos ou com deficiência e aos que deles cuidam em casa, nos lares ou nos hospitais, aos reclusos nos dois estabelecimentos prisionais de Torres Novas e Tomar e a todos os que habitam ou trabalham na área geográfica da Diocese, sem esquecer os que nasceram noutros países mas residem entre nós, para todos os votos de Santo Natal, com a melhor saúde, acolhimento, amor e paz.

+ José Traquina, Bispo de Santarém

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados