SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 13 Junho 2021, 07:22

Coragem e humildade do Papa Francisco

Nestes últimos tempos o Papa Francisco tem enfrentado momentos difíceis. O pico da tempestade parece ter sido durante a visita à Irlanda (25 e 26 de agosto passado). Ia para celebrar o encerramento do Encontro Mundial das Famílias. As circunstâncias, porém, complicaram-se. Uma semana antes da visita, foi confrontado com o relatório da Pensilvânia, onde são denunciados uma quantidade impressionante de casos escandalosos de pedofilia da parte do Clero. Estrategicamente calculada para a mesma altura, a divulgação da carta do Ex-Núncio Viganó a pedir a demissão do Papa Francisco. Quem imaginava tal descaramento?

A serenidade e a atitude firme do Papa Francisco face a esta avalanche de escândalos de pedofilia e o silêncio perante a carta de Viganó, cheia de meias verdades, confusões premeditadas e azedume vingativo, granjearam a admiração de todos os que se preocupam com a reforma da Igreja e a erradicação desta chaga. O Papa Francisco mostrou-se, realmente, um homem de Deus e um líder à altura da tormenta que ameaça a Igreja. Estes casos aumentaram ainda mais a admiração pela humildade e pela força interior do Papa. A tranquilidade e a paz que tem mostrado são uma manifestação clara da confiança em Deus.

Estas notícias negativas acabarão por dar frutos positivos e contribuir para a purificação da Igreja e para a proteção mais cuidada dos menores. Não foi apenas por palavras que o Papa reagiu mas também por factos e iniciativas. Lembremos algumas:

A Carta ao Povo de Deus onde pede um envolvimento de todos aos fiéis da Igreja na transformação da situação social e eclesial. Na visita à Irlanda encontrou-se com oito das vítimas. Em quatro das seis intervenções que fez neste país, em quatro delas referiu-se a estes escândalos e pediu perdão pelos pecados da Igreja.

A coragem de denunciar publicamente e assumir pecados de abusadores do passado mostra a grande humildade e responsabilidade do Papa Francisco. A mesma humildade e coragem ficou patente perante os bispos do Chile. A início, por estar mal informado, defendeu os que eram acusados de abusos ou de encobrimento. Quando tomou conhecimento da realidade dos factos, chamou e ouviu as vítimas e foi de grande rigor e firmeza. Convocou a Roma os bispos deste país e entregou-lhes uma carta onde denunciava o abuso do poder e da consciência. Sete tiveram de deixar o governo das respetivas dioceses. Quando teve informações seguras sobre o cardeal de Nova York retirou-lhe o título, a primeira vez que tal aconteceu. Marcou ainda uma cimeira, para fevereiro próximo, com todos os presidentes das Conferências Episcopais. Os resultados desta firmeza começam a ser visíveis. A diminuição dos casos de pedofilia na Igreja é um facto. Na Pensilvânia deram-se apenas dois casos desde 2002. A diminuição terá de chegar à extinção total. Ao “nunca mais”.
Coragem

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados