SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 12 Junho 2021, 15:01

Pe. Aníbal e Pe. Ricardo estão de partida de Torres Novas

foto_pg1_gd

Cerca de dois anos depois da sua chegada, os padres Aníbal Vieira e Ricardo Pinto estão de partida. Em Setembro as Paróquias de torres Novas receberão um novo pastor, o Padre Pedro Marques, que já foi pároco de Lapas.

O Almonda falou com o Padre Aníbal e com o Padre Ricardo e fez um balanço destes dois anos de serviço na comunidade torrejana.

Tomaram posse em Setembro de 2010, o Padre Aníbal como pároco de Torres Novas, o Padre Ricardo Pinto, ao serviço do Hospital Rainha Santa Isabel de Torres Novas, como capelão e assumindo funções de Vigário Paroquial.

Dois anos passados, tomarão em breve posse em novas paróquias. O ainda pároco de Torres Novas foi nomeado para as comunidades Casével, S. Vicente do Paul e Vaqueiros e o Padre Ricardo Pinto para as paróquias de Arneiro das Milhariças, Espinheiro e Pernes. No entanto, continuará a ser capelão do hospital de torres Novas.

Jornal O Almonda: Quais eram as suas expectativas quando chegou a Torres Novas?

Padre Aníbal Vieira: As expetativas eram servir a Igreja Diocesana. Existe o programa da Diocese e existe a realidade concreta das paróquias. As minhas expetativas passavam assim, por servir esta Igreja à qual me consagrei, na realidade concreta de Torres novas, com uma vivência muito própria.

PRP – Quando se abraça algo de novo, que tem novidade, creio que as expectativas são sempre elevadas. No meu caso foi algo muito particular, pois eu tinha acabado de sair do seminário. Não havia experiência anterior, era a primeira vez que ia estar em contacto com uma comunidade da qual eu iria ser o pastor. Isso fez com que o meu entusiasmo fosse muito elevado. Recordo-me que desde o dia em que recebi a minha nomeação para Torres Novas (Julho de 2010) a expectativa e o desejo foram crescendo cada vez mais. A curiosidade, a vontade de estar em contacto, de ver, experimentar, sentir… coisas de padre novo, mas que acho que nunca vou perder… No entanto, eu não sabia o que ia encontrar. Tinha nascido nesta cidade e crescido aqui bem perto, porém tudo me era desconhecido, até porque tinha estado sete anos fora daqui a estudar em Lisboa. Todas estas circunstâncias me fizeram sonhar alto e quando cheguei a esta cidade entreguei-me de alma e coração. Segui a recomendação de um padre amigo que no dia da minha tomada de posse a 26 de Setembro de 2010 no Palácio dos Desportos me disse: “Entrega-te a este povo e dedica-te de coração a ele porque a nossa primeira paróquia marca-nos para o resto da nossa vida…” Assim aconteceu…

Célia Ramos

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados