SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 12 Junho 2021, 12:01

Ronda Social – Jardim Escola João de Deus

 

A linguagem do afecto mas também da disciplina

 

A história dos Jardins Escola João de Deus tem origem na constituição da Associação de Escola Móveis pelo Método de João de Deus, fundada a 18 de Maio de 1882, por iniciativa de Casimiro Freire, secundado por algumas personalidades destacadas do seu tempo como Bernardino Machado, Jaime Magalhães Lima, Francisco Teixeira de Queiroz, Ana de Castro Osório e Homem Cristo, entre outros.

 

A Escritura de Constituição de Escolas Móveis pelo Método Educativo João de Deus nasceu depois de se reunirem algumas dezenas de cidadãos e fundarem a Associação de Escolas Móveis, com o objectivo de ensinar a ler, a escrever e a contar pelo método de João de Deus, a Cartilha. Assim enviava às diversas povoações que solicitavam este ensino professores devidamente habilitados para o efeito.

 

O Jardim-escola João de Deus de Torres Novas abriu as portas da valência de Jardim, Escola no ano de 1960. Fez no passado mês de Outubro de 2010 a bonita data de cinquenta anos de vida.

“O objectivo de João de Deus era combater o analfabetismo através de «um ensinar de colo”, onde o afecto era muito importante. Somos por vezes criticados pelo método utilizado e legado por João de Deus, o Método da Cartilha, e porque iniciamos as nossas crianças na apresentação à leitura, à escrita e à matemática aos cinco anos. Não obrigamos de forma alguma as crianças a saberem ler e escrever com o bibe azul (sala dos 5 anos), mas levamo-las a sentir a curiosidade do porquê e para que serve aprender a ler e a escrever. Trabalhamos muito à base de jogos matemáticos de forma lúdica. Aos 4 anos, ao brincar ao juntar e tirar já estamos a trabalhar numa projecção mais tardia da linguagem matemática,” explicou Ana Cristina Cruz, directora da Escola desde o ano 2000, com quem O Almonda esteve a conversar.

 

Nove anos depois da abertura do Jardim-escola abre a valência do 1.º Ciclo, actualmente com 19 crianças, enquanto que na valência de Jardim estão 198 crianças. Dez professores, uma animadora sociocultural, duas auxiliares de acção educativa e três de serviços gerais, e uma cozinheira compõem a equipa que mais não é que um prolongamento da família para as muitas crianças que ali entram às 8 da manhã para regressarem a casa apenas às 19 horas.

 

Uma necessidade que se impõe e que acresce a esta assim como a tantas escolas a responsabilidade de educar e de dar afecto sem esquecer a importância da disciplina.

 

“Para além da componente lectiva, temos muito em conta as áreas cívica e disciplinar. Chamar a atenção da criança quando faz mal, faz parte da educação. Faz parte da sua infância fazerem disparates, assim como faz parte o serem chamadas à atenção quando tal acontece”, sublinhou a directora da escola que prossegue dizendo ainda, “a escola não se confina à instrução, ela também tem a missão de formar cidadãos responsáveis e tolerantes. Dá-se o miminho, mas também se diz não quando a situação assim o exige”.

 

Célia Ramos

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados