SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 23 Junho 2021, 03:29

Dia 23 vá votar

 

As eleições para a Presidência da República são já este Domingo, dia 23. Não deixe de votar.

 

As últimas eleições presidenciais foram realizadas a 22 de Janeiro de 2006, tendo sido eleito Cavaco Silva, candidato apoiado pelo PSD e pelo CDS-PP. Após 5 anos de governação o Presidente da República, actualmente com 71 anos, volta a recandidatar-se, novamente apoiado pelo PSD e CDS-PP. Nas últimas eleições Cavaco Silva derrotou os outros candidatos sem necessidade de segunda-volta ao atingir imediatamente uma maioria de 50,54%.

 

No PS as divergências políticas de Manuel Alegre com o partido têm dado que falar nos últimos cinco anos, depois de nas últimas presidenciais se ter candidatado como independente e alcançado uma maior percentagem de votos do que o candidato apoiado pelo PS, Mário Soares. “O milhão de Alegre” terá sido a razão para estas eleições se evidenciar como a melhor aposta do PS para as presidenciais.

 

A falta de entendimento na Assembleia da República entre o Primeiro-ministro, José Sócrates, e o candidato à Presidência da República, Manuel Alegre, têm feito transparecer opiniões na comunicação social de que o PS não apoia totalmente esta candidatura. A confirmação tardia de apoio a Alegre, conjugadas com uma falta de envolvimento na campanha em comparação com a candidatura de Mário Soares são factores que pesam nestas opiniões.

 

Diversidade de ideologias

 

Existem ainda mais quatro candidatos que viram as suas candidaturas serem admitidas pelo Tribunal Constitucional. Francisco Lopes é militante do PCP e é apoiado pelo próprio partido e pelo Partido Ecologista “Os Verdes”. O comunista tem afirmado que a sua candidatura é a única de “ruptura” com a política de direita, que considera ser a causa da crise política e social que o país atravessa.

 

José Manuel Coelho é apoiado pelo PND e tem gerado polémica não só pela forma como tem feito campanha nas ruas, mas também pela forma alternativa como usou o seu direito de antena.

 

Fernando Nobre é um candidato independente e segundo a comunicação social conta com o apoio do último candidato do PS, Mário Soares. É fundador e presidente da AMI – Assistência Médica Internacional. Fernando Nobre considera que a sua falta de filiação a partidos políticos lhe permitirá ser um Presidente da República isento nas suas decisões.

 

Defensor Moura, há semelhança de Fernando Nobre, é candidato independente e também licenciado em medicina. No entanto, Defensor Moura já participa activamente na vida política há mais de trinta anos, tendo sido eleito pelo PS para o cargo de Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo durante 16 anos.

 

Para ser possível candidatar-se à Presidência da República é necessário ter “pleno uso dos direitos de cidadania”, idade superior a 35 anos e reunir uma lista com um mínimo de 7500 apoiantes. Para ser eleito é necessário atingir a maioria dos votos (no mínimo 50% + 1 voto) dos eleitores portugueses. Caso esta maioria não se consiga à primeira-volta, realiza-se a segunda-volta, com os dois candidatos que tenham reunidos mais votos, entre os quais será eleito o Presidente da República. Portugal já não assiste a uma segunda-volta desde a eleição de Mário Soares em 1986.

 

João Rodrigues

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados