SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 25 Junho 2021, 08:56

Emigrantes vêm matar saudades

Não se pode negar as saudades que sentem do seu país, nem negar o brilho que trazem no olhar quando chegam à sua terra natal e abraçam com emoção os familiares, que não viam há um ano. Findas as férias voltam a partir e, o regresso definitivo ao seu país vai sendo adiado.

Foram muitos os que partiram nas décadas de 60 e 70 à procura de melhor vida. França, Canadá, Estados Unidos, Suíça eis alguns dos destinos eleitos. Uma experiência feita às escuras sem saberem muito bem o que iam encontrar. Uns de passaporte na mão e a promessa de um contrato do lado de lá da Fronteira, outros clandestinamente, iam “de assalto” como se dizia na altura na gíria popular.

Entretanto, chama-se a namorada, ou a esposa, e a família constitui-se, vêm os filhos e os netos, e estes dois últimos, já de naturalidade diferente dos seus pais, e avós começam a deixar para trás a língua portuguesa que se falava em casa, e eles próprios constituem família. Num país que para eles não é estrangeiro, é sim o seu país.

10 de Junho de 1962. Uma data que José António Alves não esquecerá. Partiu para França com a promessa de um contrato de trabalho e a esperança de uma vida mais desafogada.

Fui trabalhar para as obras, para a construção. De quinze em quinze dias, ou semanalmente mandava uma carta à minha família. Deixei cá a esposa e a filha.”

Na carta vinha o dinheiro para a alimentação e para pagar a mala. Sim a mala. A mala mandada fazer de madeira e forrada de lata para transportar os pertences de José Alves.

Lembro-me tão bem de ir pagar a prestação da mala, e o resto era para comer”, recorda Tinita, a única filha do casal, hoje, uma avó babada.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados