SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Terça-feira, 22 Junho 2021, 21:36

Cónego José Carlos Sousa: “A Igreja precisa de ter gestos de humanização”

 

Passados seis anos da celebração das Bodas de Oiro sacerdotais e de uma vida de serviço e missão e sobretudo entrega à Igreja, o Cónego José Carlos da Silva Sousa regressou à sua terra natal, Carvalhal de Aroeira, e reside na casa onde nasceu. Celebra todos os dias a Eucaristia na igreja da localidade. O Almonda conversou com o Cónego José Carlos acerca do seu percurso pessoal, da Liga Operária Católica, acerca da nova encíclica do Papa, e quais os desafios que se colocam à Igreja de hoje.

 

Filho de João António Sousa, carpinteiro de profissão e de Isaura Pereira da Silva, costureira bem conhecida na terra, o Cónego José Carlos é o quarto de oito filhos, nascido a 2 de Abril de 1929. A entrada no Seminário aconteceu por duas razões: o grande desejo de estudar e a vocação ao Sacerdócio. Entrou no Seminário de Santarém aos 12 anos de idade. Passados três anos prosseguiu os estudos no seminário de Almada e por fim, no Seminário dos Olivais. Foi ordenado Presbítero no dia 29 de Junho de 1953. Na cidade de Tomar, as paróquias de S. João Baptista e Nossa Senhora do Olival, acolheram-no como Coadjutor, durante três anos. A vocação de professor aliada ao sacerdócio, começou nesta cidade onde deu aulas na Escola Jácome Ratton. Em 1956 toma posse da sua primeira paróquia, Turquel, em Alcobaça e aí novamente leccionou.

 

A acção social de mãos dadas com as aulas

 

“Enquanto dei aulas conheci pessoas fantásticas e fiz grandes amizades. E dei aulas a pessoas que hoje são bem conhecidas, o ex ministro Laborinho Lúcio, o futebolista João Lourenço e o Prémio Nobel da Paz, D. Ximenes Belo.” Conta o Cónego José Carlos. No final da década de 50 é convidado pelo então Cardeal Cerejeira a estudar em Roma. “Nunca me esquecerei da forma como o Cardeal me escreveu. A carta vinha nestes termos: «O Cardeal manda-te uma bomba. Estamos no tempo da bomba atómica. Estás disponível para ir para Roma estudar Ciências Sociais?» O Cardeal sabia do meu grande interesse por esta área, os problemas sociais sempre me interessaram muito.”        

 

Terminada a licenciatura em Ciência Sociais feita na Universidade Gregoriana, ao regressar a Portugal, o Cónego José Carlos toma a seu cargo a assistência diocesana da Juventude Operária Católica (JOC) e da Liga Operária Católica, (LOC) feminina e masculina. “Na altura não tínhamos muitas pessoas formadas nesta área e como tal, era muito solicitado para proferir conferências por todo o país e até no estrangeiro”, sublinha.

 

No princípio dos anos 70 é convidado para leccionar a disciplina de Sociologia na Escola Superior de Enfermagem das Franciscanas Missionárias de Maria e das disciplinas de Sociologia e Pastoral, na Universidade Católica.

 

O título de Cónego

 

Em 1989 é nomeado Cónego da Sé Patriarcal de Lisboa. Uma vez que na Diocese de Santarém não existe este título, impõe-se a explicação: um Cónego (do latim canonĭcus pelo grego antigo κανονικός, de κανών, “regra”) é o presbítero que vive sob uma regra que o obriga a realizar as funções litúrgicas mais solenes na Igreja Catedral. O conjunto dos cónegos forma o Cabido (do latim Capitulus) ou seja o colégio reunido sob uma mesma cabeça, um chefe ou superior. Entre o grupo de cónegos, um é responsável pela Sé e os restantes são conselheiros do Bispo. Em 1985 o Cónego José Carlos assume as funções de director do Secretariado de Acção Pastoral do Patriarcado de Lisboa e em 95 toma posse da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Lisboa. No ano passado, pediu ao Cardeal que o deixasse descansar, uma vez que “já não me achava com as energias necessárias para responder aos novos problemas que surgem e não queria apenas ficar na tradição e me achava no direito de descansar”, explicou, “em Outubro do ano passado vim para o Carvalhal, para a casa dos meus pais, onde nasci e onde me sinto muito bem”, afirmou o Cónego José Carlos.

 

 

 

Célia Ramos

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados