SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 23 Junho 2021, 12:35

José Hermano Saraiva em Torres Novas

p3110556A presença do Professor José Hermano Saraiva em Torres Novas, no dia 11 de Março, passou despercebida à generalidade dos torrejanos, apesar do aparato criado e necessário para a gravação do programa exibido todos os Domingos no canal 2 da RTP, “A Alma e a Gente”.

 

“A Alma e a Gente” faz nova viagem pelo espaço e pelo tempo portugueses, na companhia de José Hermano Saraiva, desta vez a Torres Novas. Um programa conhecido e reconhecido que visa a divulgação da cultura, dos acontecimentos históricos, da gastronomia, dos problemas e dos sucessos que se verificam pelo país. Em simultâneo, e ao longo de trinta minutos, o programa pretende revelar aos portugueses aspectos desconhecidos do País, tais como, paisagens que se desconhecem, monumentos a descobrir, paladares a experimentar, trechos de história injustamente esquecidos.

 

No regresso do almoço, O Almonda apercebeu-se da presença do Professor em filmagens junto ao Castelo de Torres Novas. Acompanhando a equipa da Videofono, Imagem Som e Edição, Lda, empresa responsável pela produção do programa, e entre a preparação das gravações de um local para outro, “o Almonda” teve a oportunidade de conversar com o Professor, que se mostrou uma pessoa simples, extremamente acessível e de uma sabedoria extraordinária, embora visivelmente sofrido e já com fortes limitações físicas. Este grande mestre em “portugalidade” e todos os seus cambiantes, falava com gosto e ia dando pequenas lições de história nos intervalos das gravações.

 

Depois de uma passagem pela Tarambola, junto ao Teatro Virgínia, observou com atenção os painéis de Gil Pais, na Praça 5 de Outubro e em seguida, do lado de fora do Castelo, mas tendo este como cenário, continuou com as filmagens. “Quem é este?!” – questionou apontando para a estátua de D. Sancho, da autoria de Cutileiro. Ao receber a sua resposta, bem como o nome do escultor, logo retorquiu com humor: “Mas o D. Sancho fez algum mal a Torres Novas?!”

 

Sem texto decorado ou apontamentos para se socorrer caso a memória falhasse, apenas confiante na sua sabedoria e invejável lucidez, a sua preocupação constante é a de não exceder o tempo permitido. Já no interior da Igreja de S. Pedro mostrou-se encantado com a riqueza do templo: “É lindíssima”, repetiu várias vezes. De S. Pedro para a Igreja da Misericórdia, dedicou a sua atenção ao Presépio de Machado de Castro, que elogiou vivamente como uma riqueza maior de Torres Novas. Por fim, passagem ainda pelo Museu Municipal, afim de aprofundar um pouco a vida e obra do pintor Carlos Reis. A terminar este primeiro dia de gravações, uma última paragem na zona industrial da cidade.

 

Um encontro que merece destaque aconteceu ainda na Igreja da Misericórdia, onde o historiador e escritor torrejano Joaquim Rodrigues Bicho esteve à conversa com o Professor José Hermano Saraiva, um diálogo entre duas personagens exemplares de amor à terra, cujo conteúdo facilmente se adivinha, não fossem dois homens ligados à história.

 

Uma conversa agradável e sem reservas

 

 

O Professor José Hermano Saraiva completará no dia 3 de Outubro, “um mês muito bonito”, a impressionante idade de 90 anos. Casado e pai de cinco filhos, o Professor fez-se acompanhar pela esposa, Maria de Lurdes, e contou em tom de brincadeira como se conheceram, para quantos o acompanhavam de perto:

 

“Conhecemo-nos na Faculdade de Letras. Eu tinha lido a História Contemporânea de Oliveira Martins, onde se dizia que o Marquês Sá da Bandeira era o único homem honesto do século XIX. Ora, o Marquês Sá da Bandeira é tio-bisavô da minha mulher, e eu então pensei: Se é sobrinha bisneta do único homem honesto do séc. XIX, talvez ela seja a única mulher honesta do século XX!!! Conhecemo-nos na festa de caloiros do 1º ano, namorámos cinco anos, e estamos casados há 64 anos. Temos cinco filhos, todos rapazes, e seis netos, duas meninas e quatro rapazes.”

 

Célia Ramos

One thought on “José Hermano Saraiva em Torres Novas

  1. Sempre apreciei o Professor Doutor e, acima de tudo, historiador de Portugal. Reconheci-o pela sua sabedoria e manifestação da sua sensibilidade e Humanismo. Tive aulas com o filho na Universidade de Psicologia de Lisboa. Considero que ele tem um sentimento humano que, de algum modo, se assemelha à do seu pai. Conheci recentemente o outro filho que tem a seu cargo a parte cultural da Sociedade Histórica da Independência de Portugal. Reconheço que se empreende com grande entusiasmo na sua tarefa.

Comments are closed.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados