SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 23 Junho 2021, 04:29

Neta de Maria Lamas nas comemorações dos 120 anos da escritora torrejana

p1_maria_lamas_grd

Maria Benedicta Vassalo Monteiro, neta de Maria Lamas, veio até Torres Novas, à escola que recebeu o nome da patrona, na quinta-feira, dia 23, participar nas comemorações que evocam a escritora e jornalista torrejana.

A questão que se colocou é se os alunos que frequentam a Maria Lamas conhecem o porquê de ter sido atribuído o nome da patrona à Escola. Quem foi? O que fez? Há algum interesse em evocá-la? É possível que uma pessoa que nasceu há mais de cem anos tenha feito alguma coisa que nos interesse? Seriam os problemas da sua época ainda atuais nos nossos dias?

A neta de Maria Lamas começou por dizer que gostou que a referência à avó fosse feita como “Maria”, pois «foi assim que foi tratada toda a vida. Mãe, avó, escritora, foi sempre “Maria”» e acrescentou: «Ela iria gostar se ouvisse».

Apresentando alguns dados estatísticos sobre o analfabetismo, Maria Monteiro, procurou demonstrar como a taxa nas mulheres foi sempre mais alta, um pouco mais de metade da taxa dos homens. Há trinta anos a taxa de analfabetismo era de 15%, em 2001 era de 8% e em 2011 de 5%. Mas na Europa, salientou, a taxa é de 0%. Os dados mostram «os que ficam para trás na educação», não lhes abrindo caminho para a inserção social. Explicou que escolheu esse indicador porque lembra o que Maria Lamas tinha na ideia, de que não se podia deixar ninguém para trás. E à época a taxa de analfabetismo no país era de 80 a 90%. Por isso valerá a pena continuar a falar em dignificar a educação e a dar mais oportunidades às mulheres.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados