SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 23 Junho 2021, 03:06

I Festival do Fado Infantil de Torres Novas com boa casa no Teatro Virgínia

p1_fado_grd

No domingo, dia 22, o Teatro Virgínia abriu as portas para o I Festival do Fado Infantil de Torres Novas, uma iniciativa do Clube de Campismo Torrejano, Adega Típica do Fado “Quadras Soltas” e do CRIT (Centro de Reabilitação e Integração Torrejano). Participaram seis concorrentes e os eventuais proveitos da iniciativa reverteram a favor do CRIT.

António Lucas Lemos, o Presidente do Clube de Campismo, fez a introdução ao festival, agradecendo ao público que tivesse «dado descanso ao sofá» naquele dia. Fez questão de agradecer a colaboração da Câmara de Torres Novas, destacando o trabalho da vereadora Elvira Sequeira. Depois estendeu a Pedro Ferreira os cumprimentos, dele dizendo que Torres Novas se habituou a ver nele como o «homem das coletividades e associações». Por fim efetuou um apelo para que as pessoas se disponibilizem mais para a vida associativa, aproveitando para deixar a Pedro Ferreira uma “pista” sobre a situação do PDM que ainda atrapalha a vida do Clube de Campismo. Sobre o festival fez questão de dizer publicamente que o “pai” da ideia pertence ao grupo “Quadras Soltas”, Zé Manel, que também era um dos músicos daquela noite.

Após a atuação dos seis fadistas, que foram recolhendo aplausos do público a cada atuação, Pedro Ferreira, na qualidade de Presidente do CRIT, lembrou que a sua instituição havia nascido há 37 anos e se mantém porque as pessoas «assim o querem». O concelho, recordou, tem mais de cem coletividades e entre elas existe uma grande solidariedade e, naquele dia, podia-se comprovar isso mesmo. Aquele foi um espetáculo que se organizou rapidamente e tinha a convicção de que iria ser um êxito, embora, confessou, não esperava que tivesse «a qualidade a que todos assistimos». Elogiou ainda Teresa Tapadas, fadista de Riachos, que mais uma vez, assim que foi convidada, disse que “sim”.

A maioria dos fadistas presentes no festival tinha a “chancela” da Escola de Fado Alverquense. E o vencedor acabaria por ser um jovem natural de Alverca, Diogo Pombas, de 16 anos, que encerrou o festival a cantar ao lado de Teresa Tapadas, pois essa atuação era parte do “prémio” do festival.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados