SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 21 Junho 2021, 22:58

“Abrigo do Menino Jesus”- 60 anos a dar amor

A Instituição “Abrigo do Menino Jesus” nas valências de Cresce e Pré-Escola foi fundada há mais de 60 anos pela Senhora Maria Emília de Castilho Rodrigues, “que consagrou a esta Obra todos os seus bens, tempo e amor”. Na altura chamou-lhe “Abrigo dos Pequeninos”, onde acolhia as crianças que andavam “à deriva” na rua enquanto esperavam que as mães regressassem a casa do trabalho. Durante dez anos esta benfeitora dedicou-se a esta obra com alma e coração. Com o Abrigo a crescer os recursos a escassearem, uma vez que a permanência das crianças era absolutamente gratuita, valendo-lhe apenas um pequeno subsídio da autarquia e a solidariedade de alguns torrejanos, a criadora do “Abrigo dos Pequenitos foi obrigada a pedir ajuda. Recorreu então à Congregação de S. José de Cluny. Estávamos nos anos 50.

Actualmente o agora chamado “Abrigo do Menino Jesus” localiza-se no edifício anexo à Casa de S. José de Cluny , sendo propriedade da Congregação, aí funcionam duas salas de Creche, com 30 crianças e três salas de Pré -Primária, com 75 crianças.

Trata-se de uma Instituição de Solidariedade Social, de cariz religioso que se integra na missão desta Congregação de Irmãs, o acolhimento às Irmãs idosas – Comunidade residente. Acolhimento de grupos para Retiros Espirituais e Sessões de Formação
Actividades Paroquiais: Catequese da parte alta da cidade; Animação litúrgica; Ministros da Comunhão. E igualmente o acolhimento das crianças e a criação do Abrigo feita com muito sacrifício e só alcançado pela solidariedade da comunidade torrejana.

Os primeiros tempos não foram de todo fáceis. As diligências feitas “para se conseguir obter o subsídio a fim de se conseguir o subsídio da Assistência e desenvolver a obra com o apoio deste ministério” foram em vão. Os primeiros estatutos apresentados não foram aprovados e foi dito na altura quer esta obra era considerada sem interesse na área da assistência” Conjuntamente com a “falta de instalações e de meios, em Julho de 1952 considerou-se a hipótese de encerrar o Abrigo, mas, ao mesmo tempo era impensável abandonar as crianças cujas mães trabalhavam nas fábricas, e os menores ficavam entregues a si mesmos.” “Foi então que confiando na Providência, a Província Portuguesa da Congregação de S. José de Cluny projectou construir um pequeno pavilhão, anexo ao colégio de Santa Maria com a ajuda de donativos de benfeitores. Ao fim de dois anos, em 1954 estava criado o Jardim de Infância e uma Sala de Costura para raparigas”

Sessenta amos passados depois da primeira inscrição no “Abrigo dos Pequenitos” a algazarra e a alegria que se ouvem do lado de fora dos portões na hora do recreio demonstram o ambiente saudável e dócil que se respira nesta casa.

Muita luta pela aprovação dos estatutos, muitas portas foram batidas para alcançar a ajuda e os subsídios necessários, e consoante o tempo passa a casa vai sendo adaptada e remodelada consoante as novas necessidades e equipada com as mais modernas tecnologias, sempre a pensar no bem estar destes pequenitos.

Célia Ramos

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados