SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 25 Junho 2021, 07:05

Bênção do Gado 2016 em Riachos – Uma tradição viva que se perpetua no tempo

noticia1_gd

Nove dias passados sempre em ambiente de festa, vividos em torno de um sem número de atividades organizadas pelas associações e instituições da vila de Riachos, o ponto alto da Bênção do Gado de 2016 aconteceu na tarde deste domingo, dia 31 de julho, com a realização do Cortejo da Bênção do Gado.

O cortejo começava junto à estação da CP, em Riachos e seguia praticamente até à, assim conhecida “Rotunda dos Bois”, na entrada da vila. Cerca de três quilómetros percorridos a pé, ou a cavalo e a terminar à boleia das máquinas e alfaias agrícolas.

Centenas de pessoas integravam o desfile, muitas à boleia, mas outras tantas dezenas seguiam a pé, e aqui destaque para as crianças de tenra idade do Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Riachos, que aguentaram firmes a longa caminhada. A par com estes mais pequenos, uma palavra também para as “Camponesas de Riachos” que apesar da idade, acompanharam o cortejo, representando orgulhosamente este grupo tão característico de Riachos.

Uma das paragens era feita junto à Igreja Paroquial, onde o Pároco de Riachos, Padre Fernando Augusto presidiu a uma cerimónia religiosa que antecedeu o rito de bênção do povo e dos animais.

Mais de meia centena de associações, empresas e casas agrícolas, (sendo que cada uma era representada com vários tratores, alfaias e mais modernas máquinas agrícolas), desfilaram neste cortejo que chama neste dia a Riachos milhares de pessoas.

Para todos quantos passaram o pároco tinha uma palavra de afeto e felicitava-os pela sua presença. Depois aspergia-lhes água benta para completar o rito da bênção.

Mesmo atrás do palanque à beira da estrada, de onde era realizada a bênção, a Igreja Paroquial estava de portas abertas para todos aqueles que quisessem visitar a imagem do Senhor Jesus de Lavradores, que ali chegou na sexta-feira, 29 de julho, para depois ter regressado a Torres Novas, no dia 1 de agosto.

Porém, a cruz, embora sem a imagem do Senhor Jesus, abria o desfile, transportada por um carro de bois, dos poucos que integravam o Cortejo para que se mantenha a tradição, logo depois da Sociedade Velha Filarmónica Riachense.

Célia Ramos

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados