SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 14 Junho 2021, 17:22

Editorial

Voltamos a um tema que já temos trazido às páginas deste jornal. Por estes dias um relatório da ONU dá-nos conta do papel destruidor do homem, da ameaça que paira sobre a vida na Terra. A destruição provocada pelas alterações climáticas atingiu proporções tão inquietantes que alarmam ambientalistas e cientistas. Segundo o relatório agora divulgado, para além das espécies extintas nos últimos decénios, atualmente há um milhão de espécies em risco de extinção. Está em curso o colapso do sistema ecológico devido à atividade humana que levou a poluição, a destruição de habitats a extremos limites. Há acordos entre países, há inúmeros relatórios, há alertas chamando a atenção para o abismo para onde caminhamos, mas o desleixo humano, a incúria e, sobretudo, os grandes interesses, impedem que se apliquem medidas que respondam eficazmente a este problema global. Mitos se interrogam se não será tarde demais para salvar a vida no planeta Terra. A destruição na terra e no mar acelerou, mas muito pode ser feito para responder a um dos maiores desafios que a humanidade já enfrentou. Se agirmos local e globalmente já, pelo menos é tentar dar uma resposta, nada fazer ou deixar que as coisas continuem na mesma é, certamente, caminhar para o fim. Hoje, a realidade é inquietante. E apesar dos muitos sinais de alerta pouco está a ser feito para mudar a situação. Só uma alteração profunda na vida que levamos, sobretudo no modo como produzimos e como consumimos pode dar-nos um sinal de esperança. Talvez ainda não seja tarde de mais.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados