SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 23 Junho 2021, 04:11

Editorial

Nesta sociedade com tanta conquista científica, com extraordinário desenvolvimento tecnológico é estranho que a fome seja ainda um flagelo que atinge um tão elevado número de seres humanos. E não estamos a falar do chamado terceiro mundo, falamos da nossa terra bem integrada na Europa e fazendo parte do mundo desenvolvido. Nem nos referimos às pragas da Idade Média. Estamos no século XXI. Sociedade estranha… ao lado da miséria e da pobreza vive a civilização do esbanjamento e do desperdício. Felizmente que, onde falha o Estado, há instituições que tentam responder a problemas como a fome e assim tornam mais suportável a vida de muitos seres humanos. Estão entre essas instituições a Ação Social da Igreja e o Banco Alimentar contra a Fome. E sabese que os pedidos de ajuda têm aumentado. Apesar do desemprego ter diminuído, há pessoas que, vivendo do seu trabalho, continuam na pobreza e sujeitas à fome. Em muitas situações, o salário não chega para as necessidades básicas do agregado familiar. É mais um sinal do desequilíbrio social e do mundo injusto em que vivemos em que uns têm tudo e outros vivem à míngua. A fome combate-se com justo salário e mais justiça social. Dar de comer a quem tem fome continua um mandato bem atual e a que não devemos fugir.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados