SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 14 Junho 2021, 15:59

Setenta Anos

Na semana que decorre comemoram-se setenta anos da aprovação da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A partir deste documento ninguém poderá dizer que “não sabia”. Há um documento escrito e aprovado pela Assembleia das Nações que impõe um conjunto de normas que imperativamente obrigam a ser respeitadas. Temos aí a tentativa de salvaguardar e defender um conjunto de direitos que reconhecem a todo o ser humano a mesma dignidade.
Mas, passadas sete décadas, este documento está longe de ser cumprido, é ignorado e torpedeado em muitas regiões do mundo, continua a ser um ideal a atingir pela humanidade. As Nações Unidas reconhecem a mesma dignidade a todo o ser humano e obrigam todos os Estados a reconhecerem essa dignidade e a defenderem a liberdade, a justiça e a paz. Mas olhando para o mundo dos nossos dias, tão conturbado por conflitos, tão marcado pela denegação da justiça, em que a tantos seres humanos são negados os mais elementares direitos para viverem uma vida digna, teremos que reconhecer que a Declaração dos Direitos é letra morta para muitos Estados.
De qualquer modo essa Declaração é a afirmação de que há um caminho que tem que ser respeitado para que todo o homem seja reconhecido na sua humanidade. E, apesar de estarmos longe de cumprir o que esse documento obriga, e de podermos falar até de retrocesso no campo dos direitos humanos nos nossos dias, não custa admitir que o mundo estaria muito pior se não tivéssemos a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Esta, apesar do presente sombrio, permite-nos ter esperança no futuro.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados