SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 12 Junho 2021, 15:14

Advento tempo de esperança

Quando o homem vive, suporta, circunstâncias de grande calamidade ou sofrimento, mesmo na situação mais escura, acalenta sempre a esperança de que as coisas melhorem e que passe a tempestade: «A esperança é a última a morrer». Se assim é, foi contudo o cristianismo que introduziu na história um ritual de esperança. E o Advento – tempo litúrgico que agora celebramos – é a quadra onde mormente esse ritual se evidencia. Esperamos o quê? Esperamos um mundo novo onde a espada se transforme em charrua e o lobo conviva com o cordeiro, em suma um tempo de paz; esperamos a vinda de um Menino, nascido na pobreza e no despojamento, apontando-nos para o renascimento e renovação de vida. E neste ritual de esperança, para o cristianismo, há mais do que expectativa, há a certeza de que esse Menino é a Salvação. Por isso, este é também um ritual festivo. Mas a festa que celebramos está em contradição com a festividade do consumo e da ostentação que hoje incita multidões.
Para além das correrias e do triunfo da publicidade, da multidão fantástica carregando embrulhos, do barulho das músicas e do esplendor das luzes, há outra realidade, mais silenciosa e mais serena. Há a proposta de procurar um sentido profundo para a vida no exemplo de um menino que nasce no silêncio da noite numa pobre gruta.
Assim, neste ritual de Natal, ritual de esperança, o cristianismo propõe um mundo novo, um mundo em contradição com os valores do poder, da força e da riqueza. Mais do que esperança temos a certeza: Todas as coisas serão renovadas.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados