SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 25 Junho 2021, 08:00

Entre o fanatismo e a ignorância

Santo Agostinho dizia que o pecado é uma espécie de ignorância. Notai leitor que as épocas de maior ignorância foram sempre as dos mais horríveis erros e crimes. O ignorante está para a maldade, assim como o escravo para o tirano. Mais ainda: o ignorante supersticioso é governado pelo fanático e acaba por tornar-se fanático também. Basta observar que para um grupo de fanáticos, todos os que pensam diferentemente deles, são ignorantes. Notai que a ignorância não somente desconhece a verdade das coisas, mas também a sua própria ignorância. Os homens de hoje, criados para a técnica e a industrialização, não raramente são persuadidos por esquemas religiosos e políticos baseados no lucro de seus empreendedores. Contra o bom senso tais esquemas surgem com a infame ideia de imaginar uma política e uma religião sem inteligência. Na pós-modernidade, os homens e mulheres fazem voto de ignorância, como se faziam antigamente de castidade, de pobreza e de obediência. Há ignorantes tão inocentes que creem em homens vestidos de terno ou túnica e pensam que Deus perdoará seus crimes porque estes homens lhes banharam em rios, ou imolam para eles um bode preto, ou se sobre eles pronunciam algumas palavras de auto- -ajuda. Não vejo ignorância na religião, nem na política onde encontro um estímulo para a prática das virtudes: aqui, refiro- -me à ignorância que coloca os grandes homens da política e santos da religião no mesmo patamar dos velhacos. Seria melhor, sem dúvida, que as pessoas notassem os homens veneráveis e, sobretudo, que tentassem imitá-los sem adorá-los ou santificá-los. Mas, infelizmente, o que acontece é a imitação dos velhacos e a deificação dos homens virtuosos, o que acaba por provocar mais ignorância e afastar de nós as inteligências. Guardai-vos leitores de prestar atenção nos patifes, cujos únicos méritos foram incitar a ignorância que surge da preguiça de estudar e pensar. Guardaivos de entusiasmarem-se com os homens de fala fácil e promessas difíceis de conceber. Guardai-vos das ações ignorantes, que, como o Brasil, acabam por terem de decidir entre o fanático e o corrupto. Ora, não existe perdão para a ignorância voluntária! E sabem por quê? – Porque Deus também não gosta dos idiotas.

Durval Baranowske, diretor

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados