SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 19 Junho 2021, 19:58

África ficou mais pobre

Esmond Martin morreu assassinado aos 75 anos na sua casa em Nairobi. Não foi a única personalidade, abatida em pouco tempo. Igualmente Wayne Lotter foi assassinado também em África. E porquê? Porque o dinheiro assim o determinou e a grande causa é o fabuloso negócio do comércio do marfim, onde os elefantes e os rinocerontes são as grandes vítimas. Até há pouco tempo isto era um comércio de milhões, na China e não só. Neste campo todos os meios justificam os fins, e os dois protetores da natureza, pagaram com a vida por terem divulgado os sérios relatórios sobre este assunto, tendo mesmo obrigado o governo de Pequim, a ter de ilegalizar todo o comércio do marfim e presas de rinoceronte. Martin – geógrafo de profissão – era um extraordinário defensor do ambiente e da natureza. A mesma personalidade sabia e bem, qual a enorme quantidade de marfim e de presas de rinoceronte que andavam em circulação. Para ficarem com uma ideia desta selvajaria, basta afirmar, de acordo com o Washington Post, que há cerca de 100 anos existiriam cerca de 5 milhões de elefantes em África. Hoje existem apenas cerca de 400 mil. Quanto aos rinocerontes apenas vivem no continente africano, pouco mais de 30 mil animais. Esta é uma realidade onde os humanos, sacrificam estes animais, tendo como finalidade o lucro fácil, praticado por assassinos pagos por pouco ou nada, enquanto outros ganham milhões, de forma fácil e criminosa. A vida dos animais e o próprio ambiente há muito entraram em desequilíbrio, sem que se vislumbre o seu término a curto prazo. Entretanto África e o Planeta vai ficando mais pobre.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados