SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 23 Junho 2021, 15:14

Os afetos

Por mais teorias que se estabeleçam em relação à humanidade, há factos que só se explicam por aquilo que temos de mais profundo: o amor. Aliás para aqueles que leem os Evangelhos com o coração, a mensagem de Cristo pode resumir-se nessa palavra. Para o provar vou contar uma pequena estória real. Numa determinada paróquia cuja cor política dominante era o comunismo, o pároco começou por se relacionar com todos sem distinção de cor política ou até de religião. Os que frequentavam a igreja admiravam a disponibilidade do pároco em relacionar-se com todos. Para isso não se fechava em casa ou na igreja mas frequentava os mesmos locais da maioria. Como a maior parte não estava habituada a que o senhor prior falasse com todos, o facto de este conversar nos cafés ou noutros locais mais frequentados com qualquer pessoa, causou estranheza, no princípio. Pouco a pouco foram-se habituando e o pároco começou a ter a consideração e admiração sobretudo daqueles que durante tantos anos foram perseguidos e torturados pelo regime. O afeto e a consideração que o pároco tinha para com eles, resultaram em convívio e desabafos sobretudo dos que tinham sido maltratados pelo regime. Entretanto faleceu o vice-presidente da câmara comunista e o pároco foi ao velório no salão do Município. Já ninguém estranhou a sua presença porque todos falavam normalmente com ele e, como disse, até desabafavam as tragédias das suas vidas maltratadas pelo governo. O pároco entrou e, quando se aproximava a hora do funeral, que não era religioso, o pároco perguntou ao presidente da câmara se podia fazer uma oração em voz alta. Ele disse-lhe que ia perguntar à viúva que imediatamente disse que sim. O padre depois de umas breves palavras, porque até era confidente do vice-presidente, começou a rezar o Pai-Nosso. Todos os presentes se levantaram e ouviram-se muitas vozes a acompanhar o sacerdote nesta oração. Bastou àquele padre, durante algum tempo, comunicar amigavelmente com aquela gente para obter a consideração de todos, independentemente de serem ou não da igreja, de serem ou não do mesmo partido político. Excelente testemunho vivo da imitação de Cristo.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados