SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 16 Junho 2021, 01:37

Fábula do rato e da rã

Aqui estamos para o primeiro apontamento do ano novo. O velho passou depressa, mas 2018 deu para alcançar objetivos, viajar por diversos continentes e efetuar aprendizagens estimulantes. Encorajamos os leitores a olharem para as suas realizações. Temos a certeza que haverá sempre algo de que cada um se possa orgulhar.

As notícias da santa-terrinha é que quebram o encanto. No seu blogue, um político português cita Sá de Miranda: “…m’espanto às vezes, outras m’avergonho…”. Compartilhamos essa sensação ao ler que o chefe de Estado telefonou em direto para Cristina Ferreira, em pleno programa de entretenimento televisivo. Há já algum tempo que duvidamos da seriedade do presidente faz-tudo e, visto que os media nacionais gostam de espetáculos circenses, desconfiamos quando não estão a passar futebol, telenovelas e música pimba. Peroram constantemente contra o populismo, mas não é necessário um mestrado em ciências da comunicação para entender que Trump ou Bolsonaro não são os únicos presidentes sedentos de popularidade fácil. E que a isso é costume chama-se populismo.

Ainda há pouco, lemos que a líder da extrema-esquerda parlamentar disse que “o governo [i.e. o PS] está a fazer populismo e é absolutamente irresponsável”. Quando é que os noticiaristas do regime lhe vão perguntar por que motivo apoia os orçamentos de um governo “populista e irresponsável”?

Viria a propósito disputar o significado de populismo, mas temos de respeitar o número de caracteres permitidos nesta coluna. Fica para outra ocasião. Hoje, apenas recordamos a fábula de Esopo sobre o rato e a rã. Trata-se de um rato que fez amizade com uma rã. Esta, para o desafiar ata uma das pernas à do amigo. À procura de comida, chegam à margem de um charco e a rã dá um salto e vai para o fundo, levando o rato com ela. O rato afogou-se e, em seguida, o corpo ficou a boiar. Um pássaro muito grande viu-o e apanhou-o para comer mais tarde. Ao levantar voo com o rato morto, a rã, por estar atada ao rato, também foi capturada e teve o mesmo destino. Moral da história? As ações planeadas para o mal acabam por ricochetear em quem as pratica.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados