SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 19 Junho 2021, 16:11

Gaza: os estilhaços do ódio

Quando o profeta Isaías gritava que vinham lá os Assírios, falava disto. Deste horror que era ver gente a ser esfolada em vida e a morte a abater-se tão cega sobre todos, que a palavra compaixão não tinha qualquer sentido. E foi com este pânico nos olhos que viu pela primeira vez a imagem que mais transformou o mundo: a de um Messias. Foi ele que o inventou. Para manter a esperança. Para manter coesa a vontade de um povo que via aproximar-se em carros de guerra o pior de todos os horrores. O pior de que há vestígios. E para os cristãos o Messias acabou por chegar. Para os judeus, ainda não é ninguém. Continua a ser apenas a esperança maior do que todas as palavras e do que todos os nomes. 

Esta esperança sempre foi a da sobrevivência. Mesmo quando lhes queimaram o templo e os levaram escravizados para Babilónia. Mesmo quando as legiões de Roma lhes derrubaram todas as pedras do único altar onde louvavam o Deus único que também inventaram. Quando se espalharam pelo mundo na maior diáspora de que há registo, tirando a da própria humanidade a dividir-se pela terra inteira. Quando foram queimados nas fogueiras da intolerância religiosa dos nossos avós. Quando foram expulsos das pátrias onde nasceram. E sobretudo quando quiseram dar-lhes uma “solução final” e os empurraram para vagões de gado com a intenção de os gasear da forma mais cobarde, a pretexto de um duche. 

Este sofrimento colectivo não tem paralelo na História. E julgo que é exactamente em nome de todo este sofrimento que devemos exigir no mundo democrático um novo comportamento de Israel. A começar pelo fim imediato do massacre dos palestinianos em Gaza. Que devemos exigir que termine agora a punição colectiva que está a ser este acto de guerra, por mais justa que ela possa parecer à opinião pública que a sustenta: a israelita. Quanto à opinião pública que a observa, julgo que não pode dar-se ao luxo de ignorá-la. Para bem de todos nós. 

Sabemos todos que o Hamas cresceu com o ódio e que se instalou com o ódio. Que foi com o ódio que ganhou eleições e que tenta legitimar-se perante as democracias. Sabemos que foi sempre um braço político de uma mentalidade que odeia o pensamento democrático e que tem o apoio de estados como o Irão. E sabemos que não quer a paz porque também sabe que é apenas com o ódio que pode manter-se na defesa do poder que conquistou. 

Mas também sabemos que Gaza não é só o Hamas. Gaza são todos os inocentes que estão neste momento à espera de sepultura. Sejam eles quinhentos, cinquenta ou apenas cinco. Temos legitimidade para o exigir por duas razões. A primeira vem do facto de Israel não ter o monopólio da razão. Longe disso. Israel não tem cumprido boa parte das decisões das instâncias internacionais: resoluções da Assembleia-Geral das Nações Unidas, do Tribunal Internacional de Justiça ou das Convenções de Genebra. Pelo menos. E ignorar as resoluções das instâncias internacionais é não reconhecer a única forma de justiça que pode imperar sobre os Estados Soberanos. É recusar uma ordem jurídica mundial permanente. E não tendo isso, não temos mais nada a que possamos agarrar-nos. Voltamos à lei de talião, que é de onde nunca saiu este conflito: “olho por olho, dente por dente”. 

A segunda razão é bem mais óbvia. A morte destes inocentes não vai ser esquecida. Não vai diluir-se no esquecimento das derrotas de futebol e nem sequer do das tragédias de guerra. Tem tudo para prosperar como história do martírio de um povo: aviões a bombardear gente enjaulada e ninguém a defender do lado de fora. 

Mas seja como for que seja lembrada, esta história será sempre sentida como uma punição colectiva. E as punições colectivas desencadeiam fenómenos de compaixão colectiva. Pela infâmia, pela injustiça ou por qualquer espécie de solidariedade. E cada vez mais as ruas irão encher-se de candidatos a mártires, sejam eles palestinianos ou de qualquer outra nação islâmica. 

Já sabemos como actuam. Também punem colectivamente. Punem quem identificam como cúmplices daqueles que vêem causar a morte e o sofrimento e não falta já quem lhes grite que cúmplices são todos aqueles que falam e que vivem em liberdade. E onde anda quem lhes explique que não? 

Não é difícil perceber quem irá levar com os estilhaços deste ódio. E o ódio irá sempre explodir até que os povos massacrados tenham todos direito à mesma esperança: a da sobrevivência. Hoje, não há sobrevivência sem dignidade. E dignidade é poder escolher o futuro que desejamos. É poder lutar pela honra ou pela riqueza. É poder viver a acreditar em ideias ou na mais prosaica das conquistas materiais. É esse o único paraíso dos tempos em que vivemos. É essa é a mais ampla de todas as esperanças. Com ou sem Messias. Com ou sem religião. 

 

 

 

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados