SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Terça-feira, 22 Junho 2021, 00:20

Armadilhas

 

Todos os dias obrigamos os nossos pais a tomar decisões. Neste caso a decisão que gostaria de desenvolver é a noite, ou melhor, o sair à noite.

 

Obviamente nós queremos é sair à noite para termos aquela sensação de independência de que tanto gostamos e ficamos muito aborrecidos quando os pais nos dizem não. Mas, também devemos ver o ponto de vista dos pais porque existem imensas armadilhas nos negócios da noite.

 

Por exemplo várias discotecas fornecem-nos o tão famoso cartão de consumidor. Nesse cartão é registado o que foi consumido, um shot, uma cerveja, um sumo ou água, etc…, depois o consumidor passa a noite a pensar no que consumiu e mais ou menos pensa quanto deve pagar. Quando numa das minhas saídas à noite, tive dúvidas sobre quanto já tinha consumido e perguntei quanto é que já estava a dever, o/a bartender responde que não é permitido dizer, apenas no final faz a conta total. Aí, percebemos que já fomos apanhados na armadilha. Quando no final fiz o pagamento e vi que tinha gasto muito mais dinheiro do que o inicialmente previsto, dei comigo realmente a pensar, “eles nem sequer têm à vista o preçário. O facto de não me ter dito em quanto é que estava o meu consumo, perdi um pouco a noção e por causa disso e por isso gastei grande parte do meu dinheiro. Nessa noite pensei que talvez os meus pais tenham razão eu sou novo demais para sair, tenho que abrir os olhos.

 

Podemos ainda ser um pouco novos, mas sair à noite é um ritual de passagem, como é o bungie jumping numa tribo de África onde as crianças têm de saltar de uma estrutura de madeira, com lianas agarradas aos pés, sendo obrigados a chegar o mais próximo possível do chão. Estes rituais existem em qualquer sociedade e são muito importantes para fazer com que os adolescentes sintam esta evolução para os “novos adultos” e por causa das armadilhas abrimos mais depressa os olhos e é por enfrentarmos esses obstáculos que nos tornamos melhores, mais inteligentes e mais conscientes de tudo o que se passa à nossa volta.

 

Os adultos também caem em armadilhas. Podem não ser as da noite mas são armadilhas, por exemplo nas estradas de Portugal, mais especificamente nas rectas de Portugal, onde nem sempre o limite de velocidade está assinalado correctamente e como resultado dessas armadilhas muitas multas são emitidas :). Como disse, os adultos cometem erros, as crianças cometem erros, os adolescentes cometem erros mas a forma como lidamos com esses erros é que nos define. A responsabilidade de não repetir o mesmo erro muita vez. Não faz mal comete-los, o errado é fugir a eles e deixar que o medo de cair no erro nos defina. A realidade é que os nossos pais só querem proteger-nos porque não sabem como é que nós vamos lidar com os problemas que nos surgem.

           

Gostaria de dizer a todos os pais que protejam os vossos filhos mas deixem-nos também cometer alguns erros. Desta forma nós, os filhos, podemos surpreender-vos mostrando que já não somos tão crianças e que já conseguimos ter alguma capacidade de lidar com certos obstáculos que nos possam aparecer na recta da vida pois foram vocês que nos educaram.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados