SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 13 Junho 2021, 05:39

Saltimbancos na política

Certamente muitos portugueses já imaginaram um partido político à sua medida, porque divergem neste ou naquele aspeto da orientação geral da matriz de um ou de outro partido, e queriam outra coisa, mas convenhamos que é quase impossível subescrever integralmente todas as convicções, por isso se fala em alas dentro do mesmo “bloco”. Nesta conformidade, “lopo”, com origem na palavra “lupus”, é um nome que escolho ao acaso para caraterizar um homem da polis, (animal político), saltimbanco, que é comunicador nato, interativo, parece satisfazer todos os que o servem, mas dá “cambalhotas” e às vezes pensa ser superior. Também não aquece o lugar a que foi catapultado, porque quer ser mais catapultado, pelo que não se sabe bem o que pretende e também não demonstra nada de novo, mas repete asneiras pagas pelo povo. Há, como é óbvio, no seu perfil, muitas razões para saltar, sempre com um único objetivo, ter mais oportunidades dadas pelos votos, sobressair com o seu egocentrismo e algum narcisismo, daí a frase comum, só vai para a política quem não sabe fazer mais nada. Pode ser do norte mas candidata-se, se for preciso, a uma câmara do sul, passou por lá um dia, almoçou bem e disseram-lhe que tinha perfil, prometeu construir um polivalente e está feita, até pode instalar uma secretaria de estado na “Charneca de baixo”, se for o caso. Na educação promete o estoirado cheque-ensino, experiência falhada de alguns países, personalidade para dar nas vistas, com essa garantia de prazo curto, porque lhe falta credibilidade. Falta ainda na caraterização a estafada locução “emagrecimento do estado”. Mas estou com alguém ao dizer terem os políticos de fazer exame prévio para avaliar competências de governança, para minimizar os erros que se pagam e destroem energias de todos. No curriculum deveriam constar as atividades desenvolvidas fora das juventudes partidárias, e um júri para pôr o carimbo de apto, ou de inaptidão. Apesar de tudo, até pode ser positivo que uma ou outra destas figuras apareça para assim se estabelecerem comparações, é preciso contudo que os cidadãos saibam avaliar, porque não é qualquer animal político que consegue fazer carreira.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados