SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 19 Junho 2021, 08:07

DIA INTERNACIONAL DA/O ENFERMEIRA/O

 

A 12 de Maio celebra-se o Dia Internacional dos Enfermeiros, por ser a data de nascimento da mais conhecida enfermeira – Florence Nightingale.

 

Florence nasceu a 12 de Maio de 1820, em Florença, que pertencia então ao Grão-ducado da Toscana e faleceu a 13 de Agosto de 1910, em Londres (celebrou-se o ano passado o centenário da sua morte, quase aos 90 anos).

 

O seu nome ficou para sempre ligado ao pioneirismo que usou no tratamento dos feridos da Guerra da Criméia. Chamaram-lhe a “A dama da lâmpada”, por recorrer a uma lâmpada para ajudar a tratar os feridos iluminando-os durante a noite. Baseando-se na medicina praticada pelos médicos contribuiu para a enfermagem com o “Modelo biomédico”.

 

Nasceu numa família com bom nível de vida e bem relacionada. Com o seu temperamento impetuoso rebelou-se contra o estatuto da mulher naquela época: ser esposa submissa. Assim, voltou-se para o atendimento aos outros e fez-se enfermeira.

 

Naquele tempo ser enfermeira era algo pouco digno e pouco apreciado, mas Florence deu a volta ao assunto preocupando-se com as condições de tratamento médico dos mais carenciados. A sua atitude levou-a, em 1845, com 25 anos, a romper com a família, sobretudo com a mãe.

 

Um ano após a sua decisão, um escândalo público protagonizado pela morte de um sem-abrigo num Hospital de Londres, tornou-a uma acérrima defensora da melhoria das condições de atendimento médico. O presidente do Comité de Lei para os Pobres – Charles Villiers – deu-lhe todo o apoio e ajudou-a a ter uma acção muito positiva na elaboração da reforma das Leis dos Pobres, empenhando mais o Estado.

 

Mas Florence somente conhecia o tratamento oferecido nos Hospitais estatais. Em 1846, visitou Kaiserwerth, um Hospital dirigido por feiras católicas na Alemanha. Ao ver a qualidade do tratamento médico e o empenho das freiras/enfermeiras ficou profundamente edificada. Aquilo já era um tratamento humanizado (o doente tinha nome não era “o doente da cama X).

 

Mas o seu nome ficou para sempre ligado à Guerra da Crimeia, quando começou a ter conhecimento dos relatos de guerra e das condições infra-humanas dos feridos. Em 1854, parte com uma equipa de 38 enfermeiras voluntárias treinadas por si mesma e segue para os Campos de Scutari na Turquia Otomana.

Quando passados três anos regressou a Inglaterra já vinha como heroína e, de acordo com a BBC, a sua fama equiparava-se com a da Rainha Vitória. Entretanto adoece com febre tifóide e fica muito limitada fisicamente o que não a impede de voltar à Crimeia. Decide então fazer o que ainda pode: a formação de uma Escola de Enfermagem no Hospital Saint Thomas, com cursos de um ano, ministrados por médicos e aulas teóricas e práticas – uma inovação para a época.

 

Em 1883, a Rainha Vitória concede-lhe a Cruz Vermelha Real e em 1907 tornou-se a primeira mulher a receber a Ordem de Mérito.

 

Estas linhas foram o meu contributo e homenagem às nossas Enfermeiras e aos nossos Enfermeiros, que levam a cabo tarefas de responsabilidade, em casos de extrema falta de apoio técnico e com salários que não se compatibilizam com a enfermagem moderna que elas e eles praticam – são licenciados e em muitos casos com especializações exigentes, sem melhoria de condições salariais.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados