SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 20 Junho 2021, 11:49

Eu sou tu!

 

Este sábado dia 14 de Fevereiro, mais conhecido por o dia dos namorados, resolvi inscrever-me antecipadamente numa oficina de desenho, experimentação do corpo e escrita criativa. O tema era alusivo ao dia de S. Valentim: ” Eu Sou Tu” Este evento decorreu na sala polivalente pelas das 16h na Biblioteca da nossa cidade.

 

Digamos que a tarde estava soberba. Algumas pessoas olhavam o rio e os peixes, crianças pedalando as suas bicicletas e jovens sentados nos bancos de madeira. Mais ao longe, nas margens do rio alguns pescadores tentavam a sua sorte. Ali, naquele espaço natural, respirava-se a vida, a felicidade e alegria por puderem desfrutar uma tarde tão bonita, tão única, com as suas famílias, amigos ou namorados.

 

Não sabia para o que ia, apenas sabia que eram coisas que me despertavam muito interesse e que dentro de mim brotava uma vontade de evoluir como pessoa, através de novas experiências, de novos conhecimentos em várias áreas. Ultimamente, a minha cultura, a minha criatividade andavam escondidas dentro do meu ser. Fui sozinha, entrei para uma sala despida de mesas e cadeiras. Estava perante o mundo desconhecido, o mistério ao qual eu adoro descobrir. Pensava que iriam entrar muitos casais de namorados, mas enganei-me e vi entrar famílias com os seus rebentos, jovens e formamos uma equipa animada. O dinamizador, Miguel Horta, fez-nos sentir bem e as suas palavras entraram em mim como um bálsamo fresco. Senti que podia aprender em 90m muitas coisas. E aprendi. Primeiro, ficamos todos descalços, ouvindo os risinhos apetitosos das crianças e os pais embevecidos a olharem para eles. Um encanto. Depois dividimo-nos em grupos de 5 elementos, ficando apenas eu e mais duas raparigas no meu grupo. Não fazia mal, o importante seria participar, conviver e passar uma tarde diferente.

 

Depois, cada grupo teria de imaginar uma história e transpô-la para o papel de cenário, como se fosse um espelho de nós mesmos. Cada membro do grupo teria de encarnar uma personagem e deixar-se desenhar em cima do papel de cenário. Já tinha trabalhado neste papel, mas nunca desta maneira, desconhecia este sistema.

 

No final, os papéis de cenário foram colados na parede e cada grupo contou a sua história. A nossa história, passava-se num país do Médio Oriente, onde vivia um homem líder dum grupo de terroristas. Todos os seus filhos eram mártires. Também tinha uma filha Yasmin. Também queria que ela seguisse os mesmos passos que os irmãos. Ela nunca quis e um dia cruzou-se com Ricardo, num final de tarde de mais um ataque de bombas. Ricardo era um militar português que fora para lá com o seu contingente em missão de paz…

 

Desculpem meus caros leitores não vos contar a história até ao fim, mas ela estará à vossa disposição na nossa biblioteca em breve. A não perder. O objectivo desta oficina na minha opinião foi saber e descobrir novos valores e trabalhar a mente e o corpo livremente.

 

Agradeço a quem promoveu este evento, ao dinamizador Miguel Horta e a todas as pessoas que participaram. Pelo sorriso em cada rosto, espero que estas oficinas não parem na nossa cidade, porque todos somos um pouco de cada pessoa que está ao nosso lado, ou que vive a milhares de quilómetros de nós. Basta deixar a nossa criatividade fluir e ter vontade de querer participar. Foi um sábado muito positivo no meu entender.

 

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados