SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Terça-feira, 15 Junho 2021, 16:45

FEIRAS MEDIEVAIS

Esta semana tive o prazer de esfolhear e ler a revista da Feira Medieval que se realizou com bastante sucesso. Por motivos particulares não pude estar presente neste grande evento, mas esperava-me outro bem mais importante para mim que foi o casamento do meu afilhado em terras alentejanas. Parti no dia da inauguração da feira. Mas antes, pude dar uma volta aos variados recintos e fiquei contente de ver o Largo do Salvador a ganhar vida. Revi e conversei com alguns mercadores que já conhecia. Uns ficaram no mesmo sítio, outros ficaram junto do Museu Municipal, com bancas mais reduzidas, mas acho que não valia a pena refilarem, porque segundo a revista estiveram cá 100 mil visitantes e claro que passearam em todo o espaço circundante da feira.

A chegada do Rei Menor trouxe muita gente cá. Ao olhar para o rosto deste jovem sinto que ele encarnou muito bem a sua personagem e isso é de louvar.

Outro ponto muito importante é o facto de não se pagar para entrar nesta feira. Antes de a feira começar já se ouviam no ar que para o ano não haveria feira, ou então teria de se pagar e assim ninguém viria. Puro engano meu povo. Quando as coisas são bem estruturadas e organizadas todos vêm. E se a câmara para o ano cobrar de entrada 3€ por exemplo? Será que todos vão desistir de vir? Sinceramente não acredito. Esta feira já é conhecida a nível nacional e internacional.

Veio a caixinha mágica e isso é um incentivo para se continuar a trabalhar neste âmbito. Esta feira tem de tudo, e penso que os animais mesmo que sejam os mesmos serão sempre uma mais-valia.

Como sou grande fã deste tipo de eventos, estando perto de Óbidos em Julho fui visitar o Mercado Medieval de lá. E agora digo-vos o que vi e assisti. Para começar esta vila pitoresca tem mais fama que outra coisa. Cada ano que passa existe uma grande exploração duvidosa ao turista. Para começar pagamos 7€ de entrada. Quem quiser pode trajar-se ao rigor da época. Os que já vêem trajados pagam 3€.

Este ano escolhi um vestido da nobreza, porque o ano passado trajei com um do povo. Ao entrar no recinto, não vi os moribundos e demais personagens. Tudo bem que fui num dia de semana, mas se pagamos temos direito. Fiquei admirada com tanta pobreza de artesanato. Disseram que ouve uma selecção e que grande selecção. O vento em Óbidos é cortante, entranha-se nos ossos e passamos o tempo a fungar.

Na zona da falcoaria, estavam poucas aves expostas. E o mais ridículo e explorador que vi foi o seguinte: Se quiséssemos tirar uma fotografia com a ave de rapina no braço e com a nossa máquina teríamos de desembolsar 2€ e com a objectiva do fotógrafo presente seriam 4€.

As ruas são estreitas e o cortejo é pequeno. Não vi camelos, gansos, ovelhas. Só se iam somente ao fim de semana. Falei com alguns mercadores que estiveram cá em Maio deste ano e disseram todos que cá é que foi uma boa feira. Ali sempre se pagou terreno.

O que mais gostei foi de assistir ao Torneio entre Cristãos e Mouros.

Um bom espectáculo. De resto, prefiro mil vezes a nossa Feira Medieval, que até ver não se paga e felizmente sabemos receber bem as pessoas.

Um recadinho amigo: não cuspam os vossos ressentimentos no chão da nossa cidade, mas falem abertamente e com educação acerca do que vos vai na alma. E claro haverá sempre filhos de Deus e do Diabo em todo o lado. Afinal o Bem e o Mal sempre existiram.

aguianegraenator@gmail.com

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados