SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 18 Junho 2021, 10:22

O melhor da Feira dos Frutos Secos 2009

 

Sábado dia 3 de Outubro iniciou-se a XXIV Feira Nacional dos Frutos Secos em Torres Novas. Nesse dia houve bastantes visitantes, na sua maioria de Lisboa, Algarve, Leiria entre outras localidades. Na barraquinha onde o Grupo de ajuda contra o cancro, as pessoas aderiram em força para ajudar a nossa causa, através da compra de rifas, no qual saíram bons prémios. Viu-se o ar satisfeito dos visitantes e as conversas agradáveis que se travaram. Foi um dia positivo.

 

Domingo dia 4 de Outubro novamente aderência em força. Palavras de carinho, conforto, desabafos foram trocados entre quem já passou pelo sofrimento e quem conseguiu aceitar e lutar diariamente para sobreviver. Pouco tempo para pausas, mas a hora de jantar é sagrado. Dirigi-me ao Restaurante da Nersant e perguntei qual a sopa e o preço. Informação dada, mas com um recado, que no Bar também havia sopa. Fiquei com a pulga atrás da orelha e perguntei ao simpático funcionário se era possível comer uma sopa no restaurante. O jovem foi à cozinha e de lá veio a resposta negativa. Não se podia comer uma sopa, porque se iria ocupar uma mesa. Fiquei espantada e respondi que isso era discriminação. Porque, se uma pessoa está todo o dia em pé no seu stand e se chega ao Bar para comer a dita sopa, e o dito cujo não tem cadeiras, nem mesas vagas, torna-se complicado, não acham senhores que exploram este restaurante?

           

2ª Feira feriado. Novos visitantes, desta vez vindos de Tomar, Entroncamento, Barquinha, Atalaia e de algumas aldeias do nosso concelho entre muito mais. Também houve propaganda política com a televisão a acompanhar, segundo me disseram. O Instituto de Meteorologia e Geofísica previa chuva para todo o dia. Esta só nos visitou ao meio da tarde e foi o caos. No pavilhão do meio a água inundou alguns stands e estragou alcatifas. O chão ficou com grandes poças de água e passámos do confortável para o estado desconfortável. Alguém ligado à feira dizia que não havia feira sem chuva. Não deixa de ter razão, mas o problema está nas condições menos favoráveis que esse espaço dispõe. Porque é uma tenda de lona, porque com uma carga enorme de chuva é normal que as estruturas não aguentem. Isto também para não falar nos primeiros dias de feira o calor insuportável que apanhamos.

           

Não entendo por que é que não começam a construir um outro pavilhão, para substituir a tenda de lona? Será que o dinheiro que cada stand paga sempre que há feira não dará para começarem as obras? Será que ninguém se lembra de arranjar o pavimento exterior, com o dinheiro que cobram nas entradas? Será que em dias de feiras não se pode colocar uma caixa multibanco? Será que é pedir muito? Fica à vossa descrição. Mas meus caros senhores vou continuar a escrever, sou teimosa e nunca desisto de lutar por uma causa, seja ela qual for.

           

Por último agradeço em meu nome às fantásticas pessoas que visitaram o nosso espaço. Aos vizinhos que nos rodeiam, às crianças que nos presentearam com os seus lindos sorrisos. A todos o meu bem hajam. Voltem sempre!

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados