SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 16 Junho 2021, 01:57

Planos furados e sábado enguiçado

Fez sol no sábado dia 9 de março? Fez sim senhor. Levava a agenda mentalmente organizada para não me esquecer de nada do que tinha de fazer. Na paragem do urbano, uma vizinha disse-me que eu estava pálida. Fui medir a tensão arterial. Estava baixa: nove de máxima e 6 de mínima. A farmacêutica aconselhou-me a ir ao hospital. Seriam umas 13 horas quando dei entrada. De seguida fui chamada à triagem. Contei o meu passado oncológico e toda a dificuldade que tenho em respirar e agora constipação, tosse seca, sem febre. Esperei na sala interior e passado um tempo fui atendida por uma doutora jovem e muito humana. Teria de fazer um raio x ao tórax e aos pulmões e análises ao sangue e à urina. Por volta das 18 horas, a doutora Diana foi até junto de mim e informou-me calmamente que teria de ir para o hospital de Abrantes fazer uma TAC. Havia um valor mais elevado que o normal. Se até ali até estava sossegada, caiu-me a ficha e chorei com medo que o pior me voltasse a atormentar. Chamaram a ambulância que só chegou mais ou menos 2 horas depois. Durante a viagem de solavancos agarrei-me à minha fé e à fotografia do meu pai que anda sempre comigo. Nos momentos mais difíceis a sua alma reconforta-me.

Chegamos por volta das oito e meia da noite. Fui de cadeira de rodas a precisar de ser substituída por uma nova. Deixaram-me no corredor onde uma corrente de ar me levou a pedir um cobertor a uma funcionária. Tapei-me da cabeça aos pés, qual fantasma louco e ali fiquei até me chamarem para fazer o exame. Resultado: não tinha nada dos pulmões mas trouxe uma carta para a minha médica de família me marcar uma consulta de pneumologia. Por volta da meia-noite e tal voltei para casa.

Apesar dos planos terem sido alterados e de passar toda a tarde de sábado nos hospitais deixo aqui o meu agradecimento de coração a todos os que me apoiaram no facebook; à família e amigos que me têm telefonado; à doutora Diana que foi muito sensível e atenciosa; à técnica do raio x; às funcionárias que estavam de serviço naquelas horas e também ao bombeiro e bombeira que me levaram.

No Hospital de Abrantes fui muito bem atendida. Não tenho nada a apontar negativamente. Desde o doutor David, a técnica Mariana, a funcionária Sónia e a enfermeira Ana foram todos bons profissionais; também a quem me foi buscar e me trouxe para casa.

Agora é hora de continuar a acreditar e a ter esperança que um dia volte a conseguir respirar um bocadinho melhor que agora consigo. Pois não tem sido fácil.

Madalena Monge

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados