SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 20 Junho 2021, 10:13

À descoberta da cidade templária

Em tempo de férias há sempre algo para descobrir, algo para explorar. Decidimos não ficar por cá. Bem cedo partimos no comboio até Tomar pois a temperatura desse dia subia.

Ao chegarmos procuramos o Posto de Turismo, mas como ainda se encontrava encerrado fomos até à Mata Nacional dos Sete Montes onde pudemos apreciar toda a tranquilidade do parque principal da cidade. Esta mata faz a ligação ao castelo e é conhecida também pela Cerca do Convento onde foi usada pela Ordem de Cristo como área de cultivo e recolhimento. Este espaço é rico em árvores frondosas que proporciona enormes sombras.

A meio da manhã subimos o caminho para o castelo onde demos um passeio até á Torre da Condessa e seus jardins em volta. Depois ficamos estupefactos com o majestoso Convento de Cristo. Nem tenho palavras para descrever o que senti ao entrar naquele lugar que foi inaugurado em 1520 e permanece até aos nossos dias intacto. No ano de 1983 foi inscrito na lista de Património mundial da UNESCO.

Comentamos como era grandiosa a mão e perfeição daqueles homens que construíram cada pedaço do convento. A arte está ali presente, quer nos tetos com gravuras da época; os azulejos com desenhos azuis; a janela manuelina; os floreados; o trabalho minucioso e os anos que aqueles homens de outrora se empenharam na construção desta obra magnífica. Se no interior reinava o fresco, no exterior o sol queimávamo-nos as entranhas. Rumamos até ao centro de Tomar onde devoramos uma refeição simples mas muito saborosa. Com as energias recompostas ainda tivemos tempo para visitar a Sinagoga que se encontra situada na antiga Judiaria no centro histórico da cidade. Este local de culto foi encerrado no final do século XV alberga agora o Museu Luso- Hebraico Abraão Zacuto. Apesar de pequeno não deixa de ser interessante.

No centro histórico encontramos uma casa com uma porta antiga onde no seu interior podíamos ver quadros e fotografias antigas. As casas tinham vasos de flores e demais plantas para o visitante olhar.

Quase a terminar este dia aventureiro fomos descansar ao jardim junto ao rio Nabão onde vimos que as margens estavam limpas e refrescamo-nos com a água que pingava na nora sempre em movimento.

Como tínhamos de partir quisemos trazer uma recordação. Felizmente Tomar tem os chamados souvenirs vastos. Desde canecas, lápis, licores, camisolas e afins optamos por comprar doces típicos de Tomar. Escolhemos queijinhos doces com amêndoa, maminhas da sogra e uns pequenos doces de ovos que se chama beija-me depressa.

Ao longo do dia encontramos muitos turistas oriundos da Rússia, Alemanha, Espanha e de Portugal.

Foi bom e de certeza que vamos voltar a esta cidade da Ordem de Cristo.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados