SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 19 Junho 2021, 20:19

Nós por cá

Após uma semana quente nada melhor que uma saída noturna para desentupir os pensamentos. Fomos ao cinema, mas a máquina do filme que queríamos assistir avariou. Os restantes filmes não nos interessavam e os filmes de top se os quiséssemos ver só mesmo em Santarém e Leiria. Um erro enorme que mesmo com reclamações nada muda.

Dirigimo-nos para a noite suave e deliciamo-nos com um gelado na esplanada. O carro fora deixado do outro lado da avenida e um passeio a pé só faz bem. Ao observar o jardim verificamos que não havia luz. As lâmpadas estariam fundidas? Ou deve ser para lembrar que a época medieval está a chegar como dizia alguém nas redes sociais. Hoje vim a saber que uns postes caíram no jardim. E no Babalhau e na zona do Nery será que também houve queda de postes? Diz quem lá vive que tudo está às escuras.

Ontem foi dia de feira de velharias e como sempre a avenida enche de vendedores e público. Uma coisa que me chamou a atenção foi o facto de a casa de banho das senhoras estar encerrada. Uma vendedora perguntou-me se eu era jornalista e começou a dizer que isto tem acontecido não só uma vez, mas várias vezes. Pediu-me para eu escrever para o jornal. E aqui estou eu a reclamar porque tal coisa não cabe na cabeça de ninguém. Apenas estava aberta a casa de banho dos senhores. Se a casa de banho está avariada, arranjassem-na. Se há alguém para as manter limpas e abertas porque não o tem feito ao fim de semana? É assim que querem trazer turistas a Torres Novas? Penso que não porque o centro histórico só oferece perigos; a Villa Cardilum está encerrada durante a semana e ao domingo. Já lá fui com pessoas amigas que não conheciam e batemos com o nariz no portão; o jardim das rosas não tem uma única mesa para pudermos fazer um lanche ou um piquenique; o rio agora vai cheio, que bom. Vem o Verão e o lixo, acumula-se. Já para não falar no rio junto à antiga Fiação e Tecidos; o campo de futebol de Lapas está uma miséria autêntica. Não se pode ir para lá e os miúdos do Bairro da Cabrita jogam à bola no bairro arriscando a partir algum vidro ou alguma persiana. O parque de campismo continua à espera duma legalização ou sei lá o quê há anos para que possa abrir ao público.

Porque será que encontramos torrejanos no parque ambiental de Santa Margarida, no parque do bonito no Entroncamento, no parque lúdico de Vila Nova da Barquinha e no parque em Constância? Porque naqueles lugares há gente com cabeça e miolos ativos para criarem espaços com boas infraestruturas onde as pessoas se sentem felizes.

Meus amigos leitores, infelizmente em Torres Novas, a cidade de noite é uma cidade fantasma, onde os vândalos destroem pelo prazer de destruir. De dia vê-se o resultado da realidade crua e feia com casas a cair como aquele prédio chamado “ hotel dos pombos” e muitos outros. Ou as mentes aceleram ou isto cada vez fica mais estagnado.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados