SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Terça-feira, 22 Junho 2021, 20:47

Alguém me explica?

Há semanas que não sei o que escrever para o jornal. Falta-me a inspiração tal e qual é a verdade. Cansa-me olhar para o ecran do computador e não decidir o que fazer. Aborrece-me. Ponho-me a pensar e devia escrever algo bonito sobre a minha cidade. Então saio para a rua, levo sempre a máquina para captar imagens agradáveis ou nem por isso. E que raio se passa no meu olhar que só entro em caminhos errados. Caramba a minha terra é tão encantadora, tem feiras e mercados, tem um castelo altaneiro, um rio. E mesmo assim vejo e escrevo sempre o outro lado. O lado obscuro duma cidade remendada ou em busca de um novo destino. Mas como esta terra se consegue encontrar se quem tem de fazer por ela não faz. Ora vejamos: A entrada da cidade do lado da escola de polícia continua com o painel de azulejos quebrados da tempestade do ano passado; o antigo hospital está como está, tem corpo, ouvem-se batuques, mas tudo continua lento e já se vêm tijolos partidos na parede exterior: o parque subterrâneo continua às moscas e mosquitos; na avenida os semáforos se estão verdes para nós passarmos, vem disparado um carro do outro lado (sinceramente nunca entendi aquele sistema); a obra na antiga garagem dos Claras anda a todo o vapor, mas também me faz uma certa confusão qual a sua finalidade. Pois se não vai ser fechado, será uma festa para os vândalos noturnos; os transportes urbanos continuam na mesma. Os autocarros velhos estão sempre a avariar e em tempo de chuva até chove lá dentro. Na linha vermelha o horário das 11 horas da manhã e das 15 horas ( que tanta falta faz) foi tirado, diziam que se gastava muito combustível. Há mais ou menos um ano fui à câmara falar com o senhor Luís Silva e com um senhor ligado aos urbanos, disseram que iam debater o assunto e depois me contactavam. Falei-lhe que existia o abrigo frente à cadeia e disseram-me que tinha sido um pedido de alguém, mas que iriam tratar do assunto. Mentiram-me e perdi o meu precioso tempo a acreditar neles. O abrigo está no mesmo sítio, e os horários retirados há linha vermelha estão suspensos; Só peço uma coisa: Alguém me explica o porquê de tanta morosidade e de tanto desmazelo em resolverem coisas tão simples?

Eu sei que não se vão dar ao trabalho de me responder, porque eu spou só uma pessoa que luta e diz as coisas que tem a dizer, sem medo. Sou frontal, mas sou sozinha e não tenho sangue azul.

Felizmente tenho uma boa notícia: o Posto de Turismo já está aberto ao fim de semana, mas a partir deste mês apenas está aberto aos sábados, o que no meio de tantos sem nada é um verdadeiro milagre.

Neste momento é quase 1 da manhã e termino aqui o meu artigo, desejando ao povo torrejano que falem abertamente e não entre dentes. O que é verdade tem de ser dito com verdade.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados