SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 16 Junho 2021, 03:26

Três mulheres, três pátrias (Parte 3)

Para terminar esta minha trilogia acerca de mulheres que tive o prazer de conhecer e que me ofereceram a sua amizade, o seu conhecimento e a sua simpatia falta-me falar de Krystyna Mokjuc da Polónia.

O ano passado estava num grupo e fizemos um intercâmbio com um grupo de polacas que por curiosidade se chamavam todas Krystynas.

Nunca tinha visitado a Polónia e foi com grande entusiasmo que deixei Portugal e voei até Rzeszow, uma cidade muito bonita a duas horas de Varsóvia. Ao chegar ao aeroporto o grupo foi recebido por aquele grupo de mulheres trajadas a rigor. Parecia que estava a entrar numa feira medieval, pois as suas roupas eram semelhantes a essa época. Olhei e vi na sua mão um papel com o meu nome. Felizmente a senhora falava inglês e começamos a falar na viagem até a sua casa. Uma vivenda nos subúrbios da cidade, com quintal. Ao entrar senti-me bem naquele quarto enorme com um vaso no meio e uma planta grandiosa. As paredes estavam cheias de fotografias. Memórias de festas familiares, eventos do grupo onde ela era Presidente. Na sala tinha uma estante cheia de livros e uma cobra piton como o seu animal de estimação favorito. Fiquei encantada com tudo aquilo, pois livros e cobras fazem parte dos meus gostos.

Durante a entrega de lembranças, soube que ela e o marido eram professores de Economia na faculdade de Rzeszow. O filho era músico. Ela escreveu mais de cem livros na sua área.

Alguns diziam que ela era excêntrica, talvez o fosse mas a sua excentricidade fazia dela uma mulher cheia de cor e luz. Admirava o seu puder de criação, pois tanto podia vestir-se de Cleópatra como de Liza Minelli em cada evento em que fomos convidados.

Os dias terminaram e regressei ao meu país. Este ano o grupo das Kystynas veio visitar-nos e foi com muita pena que a minha Krystyna não veio, mas a minha porta estará sempre aberta para ela e sua família.

Como esta mulher não para, agora vai candidatar-se ao Parlamento Europeu e graças ao voto na internet dos candidatos ocupa o 3ª lugar entre as 277 comissões eleitorais. Tem feito uma boa campanha e diz que quer levar a Polónia cada vez mais longe.

Espero assim que dia 25 de Outubro consiga o lugar no Parlamento que tanto ambiciona porque ela é uma mulher lutadora, que enfrenta uma guerra se for preciso para conseguir fazer-se ouvir.

Um grande abraço cheio de saudades minha amiga Krystyna.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados