SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quinta-feira, 17 Junho 2021, 21:19

O segredo está no tempero

Para comemorar o dia internacional da Mulher fui com umas amigas jantar a um restaurante do concelho de Torres Novas. O preço era acessível e incluía entradas, bebidas, 2 pratos, sobremesa e café, com Karaoke e tudo. O espaço era pitoresco e tinha boa comida há uns anos atrás.

Tudo combinado lá fomos nós conviver nessa noite bonita. Quando chegamos o restaurante estava cheio. Descobrimos a nossa mesa, colada ao palco. Tudo corria bem até que as entradas se resumiam a couverts de manteiga e pão. Pedimos azeitonas e elas vieram. Pedimos uns queijinhos, responderam-nos que não faziam parte daquela ementa.

O prato de peixe dizia lá no panfleto que era açorda de marisco. Vimos apenas uma açorda normal, com coentros e umas delicias do mar em cima e uns pequeninos camarões. Pedi uma sopa que já tinha encomendado há uma semana e eis que nunca tinha visto e provado uma sopa tão mal confecionada na minha vida. Resumia-se a um caldo de cor verde, salgado com rodelas de alho francês a boiar. Nem se deram ao trabalho de fazer um puré e de colocar batatas, por isso recusei-me a pagar e a comer tal mistela.

O prato de carne era lombo de porco com ameixas e batatas assadas, algumas mal assadas. Pedimos salada e para nosso espanto apenas era alface e sem cebola. Pedi mais açorda, mas já não havia e quem me dispensou um pouco do seu prato, foi o único empregado que andava atarefado de mesa em mesa distribuindo os pratos. A sobremesa dizia que era Tiramisú, escapou à desgraçada ementa.

Entretanto começou o Karaoke, como estávamos coladas ao palco saímos dali revoltadas para não mais voltarmos até se mudar a gerência. Alguém falou com a gerente e a resposta foi para nos queixarmos ao cozinheiro. Então não seria melhor a senhora falar com ele? Ou mudar de cozinheiro?

Apenas deixo aqui o meu agradecimento ao empregado que nos atendeu com simpatia e profissionalismo conforme pôde.

Este ano foi para esquecer no que toca ao local onde jantámos, melhor tivéssemos ido à sopa da pedra numa banda filarmónica local, ou, pôr a mesa no quintal e cada um levar o que podia.

Para se estar na área da restauração tem de temperar as comidas com sabedoria, amar o que faz e deixar a ganância de lado.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados