SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 19 Junho 2021, 16:36

Só há uma vida…

Sempre que há um nascimento de alguém a grande certeza que existe é que irá morrer, cedo ou tarde, mas que vai morrer todos o sabemos. Mas primeiro a vida, o crescimento, a adolescência, as escolas e universidades, o namoro, o casamento, a tropa, o trabalho e depois o nascimento de filhos, o início de uma nova geração. De geração em geração a vida vai correndo, nem mais devagar nem mais depressa, sempre ao mesmo tempo, e a idade vai passando, por todos nós, implacável, inexorável, quase sempre sem darmos por isso.

Vem isto a propósito de nestes últimos tempos ter acontecido a morte de muitos amigos nossos, mais novos, da mesma idade e mais velhos do que nós. Foi o Albano Freitas, o Quim Varela, o José Morte, o Jorge Morte, o Luis Conceição, o Carlos Canelas, o David Ribeiro, o Masofi, o António Sapateiro, o Joaquim Pedro, o Carlos Trincão Marques, o Bento Leão, o Canais Rocha e outros amigos nossos, de longa data e ligados às artes, aos pombos correios, à pintura e à escultura, à música e ao canto coral, às colectividades, ao futebol e a outras actividades, que nos deixaram há relativamente pouco tempo.

Não se estranhe se me refiro só a homens, mas os meus amigos das artes que referi, foram meus colegas nas suas actividades, uns mais que outros, mas todos deixaram em mim um sentimento de perda e de tristeza.

A morte mais recente, se bem que esperada, pela fragilidade da sua saúde, foi a do João Espanhol, amigo desde os meus sete ou oito anos, não só por causa da música, mas sobretudo por ser um hábito da pequenada, juntar-se na sua loja antiga, na cave do velho Tetaro Virgínia, para ver o João a trabalhar, afiando facas e tesouras, consertando os chapéus de chuva avariados, fazendo chaves diversas, recuperando fechaduras, abrindo cofres e tendo mesmo assim sempre uns minutos para conviver com a malta, a quem dava sempre uma palavra, a quem punha alguns problemas de matemática para resolver, a quem convidou para uma prova, para fundar uma orquestra de assobios. Mas aqui, como pôs toda a malta a rir, ninguém conseguiu assobiar a rosa arredonda a saia, e o projecto faliu. Ela era assim, amigo e brincalhão.

O nosso amigo João, quase a chegar aos 90 anos partiu, com muita pena nossa, mas deixou-nos a todos e está já junto dos outros amigos que atrás refiro e que já cá não estão.

Afinal de contas, todos nascemos e apenas estamos a aguardar a nossa vez para o fim, que queremos sempre adiar.

Honremos pois a passagem pela terra de muitas almas que tudo fizeram em prol dos outros e pensemos sempre que a morte nunca escolhe e assim sendo, que vivamos a vida o melhor possível e com alegria, pois só há uma vida na vida de cada um.

 

Jorge Pinheiro

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados