SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 25 Junho 2021, 13:25

A Lenda de Martim Regos, reeditada

 

Chega-me a boa notícia da reedição da Lenda de Martim Regos do escritor torrejano Pedro Canais. Assinalo o facto porque o livro publicado em 2004 há muito que estava esgotado. É assim dada resposta àqueles que procuravam este notável romance que, tendo como espaço o mundo, se situa também em Torres Novas e aqui tem início o tempo narrativo. «Sou Martim Regos do lugar de Santo António, que é termo desta vila de Torres Novas».

 

A crítica acolheu o livro, unanimemente, com referências elogiosas e o Pen Clube atribuiu-lhe significativo prémio literário. Estamos perante uma obra que já muitos reconhecem como um marco fundamental na literatura portuguesa. Diríamos que estamos, na vida do protagonista, universalmente digressiva, perante a metáfora de toda a vida humana. Marim Regos, protagonista e narrador, quis ser tudo e todos os sues sonhos se esvaíram; desejou sorver os frutos que a existência nos dá e todos os seus desejos se frustraram e deram em nada. «…tudo falhei de acertar e tudo acertei falhando». Metáfora da vida, espelho da história de cada um de nós, saudando o que aqui e agora se conquista e nos é dado, mas com a consciência da nossa precariedade e da nossa perdição. Enredo de um amor total que as circunstâncias da vida tornam impossível, sempre em desencontro. Aventura que se reparte pelos quatro cantos do mundo, de algum modo, eco dos desencantos de Camões e dos desencontros de Mendes Pinto. «Tudo em minha vida me saíra fadado ao desconcerto e à desgraça. Tudo andei querendo fazer bem e concertadamente, mas tudo acabou fenecendo em minha vida em tristeza e ruína».

 

A Lenda de Marim Regos, olhar irónico e pleno de lucidez, dá-nos a realidade do passado mas é para nós que fala; é o nosso tempo com os seus conflitos as suas contradições que, também, está figurado na intriga.  

 

É uma exigência cultural apropriarmo-nos desta obra e vermos como Martim Regos é o espelho da nossa vida; mergulharmos nesta história e usufruirmos da beleza, da aventura e da sagesa que ela nos oferece.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados