SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 13 Junho 2021, 05:29

Detalhes da guerra do Ultramar – Os jovens Soldados Continentais, não sentiam as ditas “províncias” como sua Pátria

 

A grande maioria dos civis das ex. Colónias nunca se aperceberam da dimensão da guerra, nem das repercussões que dela advinha. Estes povos viviam nas cidades de forma mais tranquila do que o povo do continente. Que choravam os filhos levados para uma guerra a dezenas de milhares de km de distancia. Nunca vi nenhum branco residente ou natural de Moçambique a cumprir o serviço militar em zonas de guerra. No entanto a minha especialidade era Condutor Auto, motivo porque visitei muitos aquartelamentos. Vi sim, muitos naturais negros. Os naturais Brancos apenas cumpriam o serviço militar nas cidades próximo das suas residências, ou noutros locais seguros. Eram verdadeiramente protegidos. Quando deviam ser exemplares na defesa do seu território.

 

Os Jovens Soldados, continentais, não sentiam as ditas “Províncias” como sua Pátria. África é dos Africanos. E de todos quantos lá vivem, e contribuem, para o seu desenvolvimento. Dada a enorme área de Moçambique e de Angola, o teatro de guerra ocupava uma reduzida área daquelas ex. colónias. Contudo, só a área de Moçambique ocupada pela guerra, perfazia uma superfície equivalente ou superior a Portugal Continental. E, dado que aquela ex. colónia tem uma área nove vezes superior a Portugal, apenas 1/9 do território esteve ocupado pela guerra. Logo a população dos restantes 8/9 viveram alheios á realidade da guerra. Certamente o caso de Angola seria idêntico. Enquanto a realidade da Guiné-Bissau era bem diferente, dado que se trata de um pequeno território, a guerra ocupou grande parte da sua área.

 

Quanto aos largos milhares de Soldados que estavam a cumprir as suas comissões de serviço em zonas de mato sem guerra, tal como os que se encontravam nas cidades, ignoravam a realidade da guerra. 1º porque se tratava de um povo que cresceu no obscurantismo. 2º tratava-se de um País com uma percentagem muito elevada de analfabetismo, e logo pouco politizado. 3º porque a censura controlava a informação escrita e falada, até as cartas dos Soldados por vezes eram abertas.

 

O regime de então desempenhou um papel de tal forma «importante» na ocultação da guerra, quer ao povo do Continente, quer aos povos residentes nas então “Províncias ultramarinas”, que, parte desses compatriotas que ainda se encontram entre nós, estão convencidos que teríamos vencido a guerra. Esquecendo-se esta camada da população que estávamos a combater de forma indirecta contra a União Soviética, e os Estados Unidos, entre outros países que apoiavam os movimentos para a Independência.

 

Será que os Estados Unidos perderam a guerra do Vietname. E França a da Argélia. E que Portugal tinha condições económicas e Militares para vencer a guerra para a Independência das três ex. Colónias Portuguesas? Fico por aqui. Hoje.               

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados