SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 25 Junho 2021, 00:50

Solidariedade…

 

À criança dentro de cada um de nós

 

Num dos meus livros de eleição pode ler-se a determinada altura que “as pessoas crescidas precisam sempre de explicações, nunca percebem nada sozinhas…” De facto, à medida que crescemos em idade e nos deixamos envelhecer de espírito, tudo se vai tornando mais complicado, essencialmente porque deixamos de confiar nos que nos rodeiam como até ali. Porque para tudo precisamos de uma explicação. O céu deixa de ser simplesmente azul para passar a ser uma quantidade de fenómenos científicos e atmosféricos. Deixamos de falar com as outras pessoas, que não conhecemos, ou conhecemos de vista, só porque sim. Todas as nossas portas estão sempre cuidadosamente fechadas, porque nunca se sabe quem pode querer entrar e o que fará lá dentro… E com isto fechamos também a porta às coisas boas que poderiam entrar. A frase do livro acrescenta ainda que “é cansativo para as crianças ter sempre que explicar tudo…” Esta é a explicação que encontro para o afastamento cada vez maior dos jovens, de idade e de espírito, de dar contributos importantes para a sociedade. Um deles passa pela chamada Solidariedade Social…

Para as pessoas crescidas que precisam de explicações, diz o dicionário que “A solidariedade social é a condição do grupo que resulta da comunhão de atitudes e de sentimentos, de modo a constituir o grupo em apreço numa unidade sólida, capaz de resistir às forças exteriores e mesmo de tornar-se ainda mais firme em face de oposição vinda de fora”.

 

As palavras são bonitas, talvez um pouco complicadas. Parece-me que se trata de trabalhar em equipa para que todos sejamos mais felizes. Parece fácil não parece? E na realidade é… basta agirmos todos de boa fé e confiarmos que os que estão ao nosso lado fazem o mesmo. Basta que cada um se assegure que as suas acções contribuem para o bem comum e não apenas para o seu próprio bem-estar. Porque todos somos diferentes é importante compreendermos também o “porquê” dos outros… Solidariedade é muito mais do que dar de comer a quem tem fome ou abrigo a quem não o tem, apesar de estes serem gestos essenciais para o bem comum. Passa por termos consciência que ali está uma pessoa igual a nós – feita de carne e osso e com as mesmas necessidades, com sonhos, que além de conforto físico precisa também de afecto e conforto interior e de ser tratada com dignidade. Provavelmente apenas com uma história de vida diferente e com menos oportunidades do que as que nos foram dadas a nós. É sentirmos que somos todos parte do mesmo todo.

 

Quem já viu crianças pequenas brincarem num parque com outras crianças que nunca tinham visto antes, percebe que elas não fazem distinção pela roupa, pela cor da pele, pelo estatuto social… São simples e brincam todas juntas. Alguma coisa de nós se perde neste caminho do crescimento quando começamos a tratar de forma diferente pessoas iguais. Deixemos que sejam estes olhos e este coração da criança que todos temos dentro a olhar em redor e o nosso mundo será bem mais bonito.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados