SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Terça-feira, 15 Junho 2021, 17:22

Já cá está o mês de Agosto!

Mais um Agosto, mês habitual de férias e de regresso de emigrantes, das festas das aldeias, dos convívios, das idas à praia, mas também dos incêndios florestais, e este ano das revoltas, por enquanto surdas, pelo corte dos subsídios e do crescer das dificuldades derivadas da carestia da vida, do aumento brutal do desemprego e da paralisação da economia.

É este o mês de Agosto deste ano.

E, apesar da crise instalada, tudo parece ter parado como se fosse possível parar um país. Mas parou mesmo. Os políticos foram de férias. A Assembleia da República está de férias. O sistema judicial, idem, idem, aspas, aspas. O Presidente da República está no seu Algarve. Até a habitual programação das televisões foi de férias, o futebol só vai treinando em jogos a feijões e assim vai este país.

Para entreter o pessoal que não sai de casa, restam os Jogos Olímpicos que, infelizmente, e para complicar o sentimento generalizado de desânimo, estes Jogos também não têm permitido que os atletas deste jardim à beira mar encravado tenham brilhado o suficiente para que o nosso ego se levantasse alguma coisa.

Mesmo assim, nos primeiros dias de Agosto, veio à luz o Relatório de Avaliação das Fundações fruto dum grupo de trabalho criado nos termos da Lei 1/2012, de 3 de Janeiro. Diga-se em abono da verdade que a Lei referida saiu no seguimento do Relatório do Tribunal de Contas que em 2011 dava conta que o Estado não sabia quantas Fundações existiam, pelo que já em Setembro do ano passado, o Conselho de Ministros aprovou a realização de um censo a todas as Fundações existentes em Portugal, com o objectivo de reduzir o Estado paralelo em Portugal, como dizia o Jornal de Negócios de 3 de Janeiro 2012.

Esse mesmo jornal dizia ainda que, transcreve-se: “ficam obrigadas todas as fundações a apresentar no prazo máximo de 30 dias, a contar a partir de hoje, as respostas a um questionário que será disponibilizado no Portal do Governo e facultar toda a documentação aí solicitada, designadamente os relatórios de actividades, de gestão, e pareceres dos órgãos de fiscalização relativos aos anos de 2008, 2009 e 2010.”

Mais à frente, transcreve-se ainda da mesma notícia: “A publicação dos resultados da avaliação terá lugar no prazo máximo de 60 dias a contar do termo do prazo de resposta ao questionário, e no prazo máximo de 30 dias após a publicação dessa avaliação, o Ministério das Finanças emite, em conjunto com a respectiva tutela sectorial, decisão final.”

Face aos prazos acima transcritos, constata-se que mais uma vez, à boa maneira portuguesa, o que se escreve nem sempre é cumprido visto que, neste caso, entre a data da publicação da Lei e a data do aparecimento do relatório passaram mais de 180 dias, portanto o dobro do tempo inicialmente definido. Mas, diga-se ainda que esta análise tinha já sido anunciada na campanha eleitoral do ano passado e portanto, se tudo tivesse sido feito como prometido, nem teria sido precisa a chamada de atenção do Tribunal de Contas e tudo teria ficado esclarecido ainda o ano passado. É esta a nossa sina. Só lá vamos se formos empurrados ou puxados.

Entretanto, logo após a publicação do referido relatório, começaram as contestações à forma como os resultados foram apresentados.

Por exemplo, a Fundação da Universidade de Lisboa, pela pena do insuspeito Reitor Professor Doutor António Sampaio da Nóvoa, personalidade digna de todo o crédito a toda a prova, em carta dirigida em 3 de Agosto ao Primeiro-ministro refere que a pontuação global atribuída à FUL foi “apurada com base em critérios, ponderações e dados duvidosos ou incorrectos”.

Também Artur Santos Silva, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, segundo o Expresso de 4 de Agosto, “não deixou passar em branco o “lapso” (entretanto corrigido) que classificava a FCG como uma fundação pública de direito privado quando esta é uma fundação privada – um erro que Santos Silva considera ter “distorcido a pontuação final, dado que as ponderações dos critérios de avaliação são diferentes consoante se trate de fundações privadas, públicas de direito público, públicas de direito privado ou público-privadas”. Porém, segundo o mesmo jornal, “o secretário de Estado da administração Pública, que coordenou o processo de avaliação, rejeita a leitura de Santos Silva”.

Resumindo e concluindo, um trabalho que se queria urgente, preciso e conciso, para além de ter ultrapassado em termos de tempo tudo o que seria razoável, começa logo a ser contestado por entidades credíveis, com factos, o que é de lamentar e pode levar a questionar se a decisão final virá a atingir os fins pretendidos até porque nem todas as fundações foram avaliadas e algumas bem conhecidas e reconhecidamente credíveis, como são os casos acima apontados, levantam dúvidas quanto à forma como o processo se desenrolou.

Assim vai este país.

É muito difícil ser Prior numa freguesia destas!

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados