SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 25 Junho 2021, 09:04

“Novidades” da semana

A semana que passou trouxe-nos novidades de toda a ordem, mas muitas delas a darem e entender que o ano de 2013, vai ter ainda mais apertos nos orçamentos familiares. Portanto, escusamos de ficar descansados e vamos ver se este ano não nos impingem mais jogo branco.

Também foi na semana passada que o Governo se saiu com mais uma medida engraçada, sem graça nenhuma, pelo que, para que conste, passo a transcrever do Site do Governo, parte do Comunicado do Conselho de Ministros de 18 de Julho de 2012: “O Conselho de Ministros aprovou um diploma que estabelece medidas de controlo da emissão de facturas e outros documentos com relevância fiscal, define a forma da sua comunicação à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e cria um incentivo de natureza fiscal à exigência daqueles documentos por adquirentes pessoas singulares.

Nesse sentido, é criada uma dedução em sede de IRS, correspondente a 5% do IVA suportado por qualquer membro do agregado familiar, incluída em facturas que titulam prestações de serviços dos sectores de manutenção e reparação de veículos, alojamento, restauração, cabeleireiros e similares”.

Pelo que fica acima transcrito, o Governo parece dar a entender que continua a perseguir os pequenos, como se a economia paralela fosse da exclusiva deles, deixando por outro lado os grandes a trabalhar à sua vontade.

Sabemos que é costume, mas no mínimo é estranho, que se persigam só as pequenas empresas, muitas delas familiares, que ainda vão mantendo postos de trabalho e movimentando as economias locais, e se deixem de fora as catedrais do consumo do ramo da distribuição, as gasolineiras, as telefónicas, as energias, as portagens e tantos outros empórios, querendo-se no entanto dar a impressão que estão a proteger os pequenos quando no fim de contas está em causa um máximo de 250€ de abate em sede de IRS, sendo que, para tanto, o contribuinte teria que apresentar facturas de valor superior a 25.000€. Até parece que querem dar uma esmola – o abatimento até 250€ em IRS -quando no final de contas esse abatimento não passa duma miragem.

Estão a brincar connosco mais uma vez. Só pode ser. E deixam os grandes de fora, porquê? Será que os grandes, porque mandam muito, não se deixam controlar? Seja lá o que for, mas esta medida, ou foi feita à medida, ou estão mesmo a brincar com o pessoal.

Por outro lado, também na semana que passou veio a lume a intenção do Governo em publicar um Diploma para permitir que o país se torne num Eucaliptal completo já que em princípio poderão ser feitas arborizações de pequenas parcelas até 5 hectares e a rearborização de parcelas até 10 hectares com eucaliptos, mediante uma simples comunicação prévia. Mas até a arborização ou rearborização de áreas maiores passará a beneficiar de autorizações tácitas, se o pedido de autorização não tiver resposta em 30 dias.

Todo este ataque ao ambiente, ao ordenamento do território e à própria agricultura, só será possível com a aprovação da Ministra que gere estas pastas todas num só Ministério, o que será gravíssimo para não dizer mesmo um atentado ao ambiente.

Será a confusão geral, o salve-se quem puder e quem virá a beneficiar, directa e indirectamente, serão as celuloses que são as consumidoras do produto final, o eucalipto, e será o País no seu todo a pagar mais esta factura, como já estamos habituados.

Desta manobra, quem fica prejudicado, para além do ambiente que é de nós todos, do ordenamento do território que a todos diz respeito e da agricultura que deveria ser defendida e incentivada quando no final vai passar a ver os seus melhores terrenos invadidos pela praga dos eucaliptos, quem fica prejudicado, dizia, são os pequenos produtores florestais que vão sentir os seus pequenos rendimentos da floresta ainda mais reduzidos porque a grandeza das celuloses fará baixar os preços do eucalipto com a proliferação desenfreada do mesmo.

E, claro, esta eucaliptização geral, desordenada e desgovernada, vai ainda gerar mais condições para que a proliferação de grandes incêndios florestais passem a ser um flagelo mais frequente. E tudo isto veio a lume numa semana em que o País ficou mais uma vez pintado de preto, com incêndios medonhos por todo o lado, e que tiveram o seu expoente máximo no horroroso incêndio que destruiu a maior parte da Serra do Caldeirão. Aliás, não foi por acaso que o reconhecido especialista em incêndios florestais, Professor Xavier Viegas, afirmou à Antena 1, no passado dia 18 de Julho “que esta espécie propaga facilmente as chamas, para além de gerar fogos de projecção” e por isso alertado para os perigos que acarreta a facilitação da plantação de eucaliptos. E isto é dito por quem sabe.

Para completar o ramalhete daquilo que já não são novidades, os combustíveis estão a subir cerca de 3 cêntimos por litro, todas as semanas. Porquê? Para satisfação do apetite de uns poucos, à conta dum país depauperado. Os que precisam, aos que podem.

Tudo noticias frescas, qual delas a mais fresquinha neste Verão escaldante.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados