SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Terça-feira, 22 Junho 2021, 20:24

A toca do Girão – Antigos amigos do fado

 

Há poucos meses tive conhecimento que tinha aberto na nossa cidade um Restaurante e Casa de Petiscos, intitulado “A Toca do Girão”.

 

Fiquei de imediato desperto para o caso e verifiquei pelo convite que me foi endereçado no dia da inauguração, que o seu proprietário era nem mais nem menos que um velho conhecido e amigo, da zona de Santarém, o Rui Girão, excelente e experiente executante de viola de fado que muitas vezes me acompanhou nas minhas esporádicas e raras lides de cantador de fados e já lá vão tantos anos.

 

Informou-me o Rui que pretendia realizar um serão de fados todas as Quartas e Domingos a partir das 20,30 horas até à meia-noite.

 

É um homem que conhece muita gente do fado, desde colegas guitarristas, violas e baixos a fadistas profissionais e amadores fruto de muitos anos de acompanhamento em diversos espectáculos e tertúlias fadistas do nosso Ribatejo. É de todos um amigo antigo e um bom companheiro.

           

Tenho procurado saber junto da malta fadista como está a coisa a correr e as opiniões divergem, pois se há quem diga que corre bem, outros há que não auguram bom futuro para aquele cantinho dos fados.

           

É pena Torres Novas não ter presentemente o mesmo movimento que outrora, porque o centro da cidade era na zona antiga, onde se situa a Toca do Girão, precisamente na Rua Actriz Virgínia número dezassete, muito perto do antigo mercado mais conhecido pela Praça do Peixe.

Torres Novas tinha fama a nível distrital de ser a terra com mais movimento nocturno, pois fosse qual fosse a hora da noite, havia sempre gente na rua vinda de algumas tascas e cervejarias, que só fechavam às duas e três da manhã, porque havia sempre clientes até essas horas.

           

Hoje, a malta nova tem as suas diversões próprias, discotecas e bares não faltam e seguramente aí a razão do centro da cidade estar deserto, da cidade ter mudado, porque as cervejarias e as tascas foram encerrando e as pessoas de certa idade ficam comodamente em casa à noite e evitam sair para se encontrarem com os amigos como faziam antigamente.

           

Daí eu pensar que a abertura de uma Casa de Fados é bastante útil para a gente de todas as idades que gostam de fado, pois felizmente vai havendo cada vez mais jovens a ouvir e a iniciar-se a cantar o fado.

           

Torres Novas sempre teve cantadores, mas foi sempre muito difícil haver músicos de fado que os acompanhassem. Pois agora essa lacuna está preenchida e poderá ouvir uns bons fados, cantados por amadores, às quartas e Domingos ao início da noite.

           

A Toca do Girão é já neste momento o ponto de encontro de toda uma geração de fadistas amadores e isso eu constatei no passado Domingo, 30 de Janeiro, com um serão bem passado e bem cantado, com mais de quinze fadistas oriundos da Azambuja, Tomar, Ourém, Fátima, Torres Novas, Alcanena e Benavente a cantar, dois bons guitarristas, o Luis Grácio e o José Manuel e o “velho” Rui Girão à viola como ele tão bem sabe.

           

Pena é o espaço ser bastante exíguo mas quando há boa vontade haverá sempre lugar para mais um. Tomara eu e a malta da minha juventude ter tido o privilégio de haver um local público onde houvessem músicos para nos acompanhar.

 

Por isso faço um apelo aos jovens que me lerem para que se juntem e vão até lá cantar e ouvir cantar o fado, num silêncio bem fadista e ali nascerá certamente uma mão cheia de bons fadistas torrejanos e até alguns músicos da canção nacional. Pelo menos uma vez por mês já seria muito bom para fazerem daquele cantinho um bom ponto de encontro, comendo o seu petisco, bebendo o seu café e desfrutando a nossa canção nacional, a curto prazo património da humanidade.

           

E por falar de memórias e de fado vou tentar relembrar as guitarras e violas que me acompanharam ao longo de uma vida de canções e fados, todos bons artistas e todos ainda hoje meus amigos.

           

Começo pelo Carlos Velez e pelo Raimundo Seixas, uma dupla que fez escola e foi famosa por todo o país. O Raimundo está pelos Algarves mas o Carlos Velez, meu irmão mais velho como ele me chama, ainda toca e bem, parecendo um pronto-socorro do fado. Vai a todas…

           

Desse tempo, recordo o José Inês, o João Pedro Veiga, o Rui Girão que refiro, o Marona, o José Bacalhau, o Pedro Amendoeira, o Custódio Castelo, o Chico Silva, o João Chora, o Pinhal, o Petisca, o Bruno Mira, o Rocha, o Rui Miquelis, o Dr. Paulo Leitão e o nosso grande guitarrista torrejano Jorge Oliveira a viver na Covilhã e que tanto jeito nos teria feito se por aqui estivesse.

           

Que me perdoem aqueles que não recordo, mas é esta gente que faz com que o fado seja amado pelo povo e cantado e recordado pelos cantadores e cantadeiras de fado, muitos deles amadores, “Em Arruda ou Santarém, na Chamusca ou no Cartaxo, o grupo não vai abaixo” , “porque ainda há amadores para manter a tradição”.

           

Se gostas de fado não deixes morrer esta pequena tertúlia fadista que Torres Novas nunca teve e agora tem.

 

Vai até lá, canta um fadinho ou escuta em silêncio, pois não é só fadista quem canta, mas também quem o sabe ouvir.

 

Vamos ao fado.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados