SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 12 Junho 2021, 17:49

O Posto Médico da “Caixa” fez 50 anos no dia 15 de Março

O Posto Médio da “Caixa”, como era vulgarmente chamada a Delegação Clínica de Alcanena dos Serviços Médico Sociais – Federação de Caixas de Previdência, funções hoje desempenhadas pelo Centro de Saúde, fez 50 anos no passado Domingo dia 15 de Março.

Efectivamente aqueles serviços abriram ao público no dia 15 de Março de 1965, em instalações adaptadas e de aluguer, no 1º andar do Largo António Machado Batista, por cima do restaurante “Necas” e da Casa Maia Alegre. Foram ali criados e apetrechados dois gabinetes médicos, uma sala de exames de obstectrícia, duas salas de tratamentos de enfermagem, duas salas de espera, uma sala de esterilização e um gabinete administrativo, para além de uma casa de banho, tudo no 1º andar e arrecadações no sótão.

O quadro de pessoal inicial era composto pelos Médicos Dr. Carlos Nunes Ferreira e Dr. José Vasques Tenreiro, pela Enfermeira-parteira D. Iluminada de Belém, pelo enfermeiro Alfredo Ferreira Nuno, pela empregada de serviços gerais D. Maria Cândida Ramos e por este modesto escriba, Carlos Pinheiro, como funcionário administrativo

Naquela altura, a Europa apesar de destroçada pela guerra, tinha entretanto criado o estado social já que antes da guerra não havia dinheiro para nada, mas depois, por motivos óbvios, o mesmo teve que aparecer. Em Portugal, o governo da época, a reboque da Europa, começou também a criar algumas estruturas – as Caixas Sindicais de Previdência e as Caixas de Previdência por sector de actividade – que acabaram por dar no chamado estado social, agora tão atacado. Foi uma forma, à custa dos descontos dos empregados e das entidades patronais, do Estado criar alguns benefícios a quem vivia só do trabalho. Foi também uma forma de combaterem a força dos movimentos reivindicativos que se começavam a fazer sentir, mas também, por alguma forma, a distrair o pessoal dos horrores da guerra colonial, do desemprego e da emigração clandestina em massa. Estávamos na década de 60 do Século passado. À conta dos descontos acima falados, tinha sido criado o abono de família para ascendentes e descendentes. Os pais ou sogros dos beneficiários que fizessem o mês completo de trabalho, tinham direito a 40$00 por mês. Os filhos desses mesmos beneficiários tinham direito a 60$00 por mês. Os subsídios das baixas por doença começavam a ser implantados e as pensões por invalidez ou por velhice já começavam a ser faladas. Os mais novos começaram a ir à praia através das Colónias Balneares Infantis, também criadas pelas Caixas.

No mesmo sentido, foram criados os Serviços Médico Sociais, dependentes do Ministério da Corporações e da Previdência Social, que instalaram Postos e Delegações Clínicas, para assistirem os beneficiários das Caixas de Previdência e seus familiares, porque o aceso aos cuidados de saúde, nessa altura era extremamente difícil para quem não tinha posses. Era o inicio da redistribuição das contribuições para a Previdência Social que tinham sido instituídas no final da década de 40.

E Alcanena também teve direito a esse benefício a partir do dia 15 de Março de 1965.

Passaram-se 50 anos desde aquela data e constatamos que a mesma acabou por não merecer qualquer comemoração, apesar dos mais altos responsáveis do concelho terem sido, atempadamente, informados deste facto histórico, que, disseram, desconheciam mas nada podiam fazer sem o envolvimento das entidades directamente responsáveis pelo Serviço Nacional de Saúde a nível local. É a vida.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados