SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quinta-feira, 17 Junho 2021, 20:59

Os desempregados servem para tudo…

Os desempregados servem para tudo e até para fazerem baixar o tal índice de desemprego.

Toda a gente sabe, mas quando se denunciam casos concretos, parece que ficamos todos admirados, porque andamos distraídos, porque andamos a assobiar para o lado e a pensar que o mal só acontece aos outros.

De uma notícia da TSF de 27.11.14, com o título “Provedoria de Justiça acusa a ACT de abusar do trabalho de desempregados”, aparece ali de tudo.

Só na tal ACT – Autoridade para as Condições do Trabalho, segundo a mesma notícia, existem ali 45 pessoas desempregadas, mas colocadas através de contratos emprego-inserção, assinados com o IEFP, a desempenhar funções caracterizadoras de “postos de trabalho” e “essenciais às atribuições” desta entidade pública que “tem por missão” fiscalizar e promover “a melhoria das condições de trabalho”.

Mas a mesma fonte ainda denuncia que “Escolas, centros de saúde, câmaras, juntas de freguesia, Segurança Social, para além da ACT, recorrem a desempregados para assegurar postos de trabalho considerados “essenciais”. E diz também que o Provedor fala em abusos “flagrantes” na Administração Pública e admite “nova forma de precariedade laboral”.

“O documento, do Provedor de Justiça, fala em inúmeras queixas de desempregados a ocupar postos de trabalho considerados “essenciais” para o funcionamento de escolas, centros de saúde, câmaras municipais, juntas de freguesias. Há ainda registos de 38 colocados na sede, em Lisboa, da Segurança Social.”

“Nas escolas, o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares admite que muitas só funcionam porque têm estes desempregados a trabalhar. Manuel Pereira explica que há anos que saem auxiliares educativos e ninguém entra, a não ser os desempregados colocados pelos centros de emprego.”

“Há muitas escolas que só estão abertas graças a estas pessoas, apesar de ser também um problema grave pois estamos perante desempregados sem qualquer formação para trabalhar com crianças.” O problema agrava-se porque, conclui o representante dos directores escolares, muitos vão trabalhar “obrigados pela Segurança Social”.

E depois, para concluir, estes desempregados a “desempenhar funções efectivas” recebem para além do mísero subsídio de desemprego, uma bolsa mensal de 84 euros, mais subsídios de transporte e de alimentação, e deixam assim de contar para o índice de desemprego. Portanto, trabalho mais barato do que este só se fosse mesmo de borla.

De facto, e esta situação não sendo nova pois já se vem a arrastar desde 2002, segundo a noticia, o certo é que cada vez se multiplica mais nos variados sectores dos serviços públicos. É certo que ainda não parecem constar desempregados a desempenhar funções essenciais nas forças policiais, nas forças militares ou militarizadas, nos tribunais e até na Provedoria de Justiça. Mas por este andar, qualquer dia os organismos até podem deixar de ter quadros de pessoal e socorrerem-se dos desempregados para desempenhar as tais tarefas “essenciais”.

E, se assim for, se chegarmos a esse extremo, os encargos com o pessoal, nos serviços públicos, baixarão drasticamente à custa dos que menos podem, menos têm e menos são ouvidos. É o costume.

Só resta saber se os privados, especialmente as chamadas grandes empresas, não podem recorrer a este estratagema ou até se não estarão já a servir-se deste banquete barato. Mas de facto a notícia é omissa neste campo pelo que não se podem fazer conjecturas.

Portanto, nas circunstâncias actuais, os desempregados servem para tudo e até para fazerem baixar o tal índice de desemprego e ninguém, para além do Provedor de Justiça, se importa com estas situações escandalosas.

Haja Deus.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados