SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 12 Junho 2021, 14:57

O Mercado Semanal

No nosso tempo de juventude – e já lá vão cerca de 50 anos – o Mercado Semanal era à segunda-feira e que movimento a então vila torrejana tinha. As pessoas das aldeias vinham à vila, em burros e carroças e que ficavam à entrada da vila, para não complicar o trânsito e sujar as ruas dos excrementos dos animais. Era outro tempo, sem dúvida. Para a maioria dos habitantes dessas terras, vir a Torres Novas à segunda-feira, era quase um acontecimento. Era o mesmo que os torrejanos irem a Lisboa. Ora isso hoje acontece quase diariamente e deixou de ser novidade. Os burros e carroças já fazem parte do museu ou estão em reservas para conservar a raça.

Ao recordar este tempo – não somos saudosistas – serve de reflexão sobre o Mercado Semanal e que mudou para terça-feira. Confessamos, sinceramente, ignorar qual a razão para essa mudança. Passou-nos da memória, acontece. A razão porque hoje abordamos esta questão prende-se com o movimento neste dia. É verdade que o número de carros a entrar na cidade é o triplo.

Mas isso não significa que o comércio da cidade não tenha mãos a medir, para atender tantas pessoas. Devia de ser assim, mas infelizmente acontece o contrário.

Quase que não se nota a diferença deste dia dos outros. O café onde habitualmente tomamos a bica e que fica no centro da cidade, quase que não tem movimento, a não  ser dos seus habituais frequentadores. E por vezes é a sua proprietária a chamar-nos a atenção, dizendo, já viu o movimento que temos, em dia de mercado?  É que por vezes nos esquecemos que é dia de mercado,  por uma razão muito simples, quando nos reformamos todos os dias são iguais, à excepção do domingo porque está quase tudo fechado.

Na verdade o Mercado Semanal  já não tem a importância de outros tempos. E porquê? São várias as razões: económicas, sociais e porque não dizê-lo, educacionais. Houve uma grande evolução da sociedade, criaram-se hábitos  que nada têm a ver com a nossa forma de estar na vida e o pior disto tudo é que não houve um acompanhamento na formação e educação das pessoas. Esta sociedade de consumo  que surgiu, tem os dias contados. É tudo uma questão de tempo…

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados