SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 12 Junho 2021, 19:20

José Coêlho expõe em Paris

 

O escultor riachense José Coelho fez-nos chegar o catálogo sobre a sua Exposição de Escultura em Metal, em Paris e patente na Galeria Art Present, encerrando a 6 de Novembro. Por essa razão não podíamos deixar passar a oportunidade de falar, um pouco, sobre a experiência «Simpósio dos Simples» – Luz Fragmentada.

 

Ao longo dos anos temos procurado divulgar o trabalho deste escultor de metais e que à sua custa e coragem tem conseguido impôr-se na região, no País e no estrangeiro. A arte da escultura, por si própria e por ter uma linguagem que nem sempre é acessível ao observador atento, consegue todavia conquistar espaços, mercê da sua beleza. A escultura em ferro ou metal, tem uma linguagem própria que se identifica com a obra. Não é uma Arte popular, mas aos poucos vai conseguindo subir o patamar da fama. E a razão é muito simples para esse sucesso, porque parte duma matéria bruta e se torna numa escultura de formas geométricas que espelham beleza. Obrigam-nos a olhar para lá do espaço que a peça escultórica ocupa. Para o artista que executou esse trabalho, no caso concreto José Coêlho, cada peça que apresenta é um pedaço da sua alma criativa.

 

Nesta exposição o escultor pretendeu homenagear um conjunto de artistas com dimensão universal, caso de Amadeu Cardoso, Camões, Cervantes, Fernando Pessoa, Picasso, Shakespeare e muitos outros.

 

Em 2007, quando expôs no Instituto Franco-Portugais, o Adido Cultural escreveu: «Entre as margens do Tejo e as do Sena, de Lisboa a Paris, ele povoa a nossa imaginação de personagens tutelares, as ningas camonianas, e de «Caixas de Memórias» para conservar intactos os nossos sonhos mais íntimos…».

 

Muito se tem falado e escrito sobre este escultor, mas esta Exposição veio-nos mostrar que muito mais há a dizer sobre os seus novos trabalhos, agora com dimensão sem fronteiras.

 

*** *** ***

 

Só nos resta felicitar José Coêlho para estes novos trabalhos, com votos de que continua a fazer, dos seus ferros e dos seus metais, esculturas de uma beleza original, porque são peças únicas.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados