SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 18 Junho 2021, 10:18

Férias sem Dinheiro

Este Verão os portugueses vão aproveitar o período de descanso para fazerem férias perto de casa, preferindo o aluguer de alojamentos e as casas dos amigos às estadias em hotéis.

Portugal volta assim a reconquistar as preferências dos portugueses que estavam a fazer as suas férias em países do Mediterrâneo, como a Grécia, mas que estão agora a optar pelo nosso país devido a boa hospitalidade e custo de vida mais económico.

Fazer férias sem praticamente sair de casa, sem fazer campo ou praia, sem diversificar a vista e o ambiente é realmente um sufoco. Nem tão pouco são férias, porque não permitem uma descontração que proporciona relaxar a mente.

Com efeito, as preocupações com o dinheiro estão sempre presentes, o que provoca um desgaste e uma incerteza, constantes. A mente dificilmente se “solta”.

As férias são para descontrair, para fazer coisas diferentes das rotinas do trabalho. Férias são para retemperar as forças físicas e psicológicas. Férias não são certamente para se viver martirizado com a falta de dinheiro.

Só nos resta uma solução: procurar alternativas e novas soluções.

Não é preciso viajar para aproveitar bem as férias. É inegável que sair um pouco da rotina ajuda a relaxar, mas não é preciso ir muito longe para se divertir e descansar. Se falta dinheiro para viajar, saiba que é perfeitamente possível aproveitar as férias gastando pouco. Perto de si há pontos turísticos que certamente não conhece, pode aproveitar para passear por parques e praças é um programa sempre interessante. Se for com os filhos, proponha um passeio de bicicleta. O grande problema neste período são as crianças, que costumam ficar entediadas em casa. Por isso, a dica é usar a criatividade para entreter os pequenos, relaxar e conhecer coisas novas.

Ainda a propósito, li algures que o primeiro-ministro quer o seu governo a fazer férias cá dentro. Motivos? Não, obviamente, porque ficar seja sinonimo de poupança: uma consulta a qualquer agência de viagens permite concluir que muitos “pacotes internacionais” são mais baratos que a espelunca nacional média. As razões pelos vistos são outras: Passos Coelho está preocupado com a “imagem” e espera que a visão de um governante a estender a toalha na Quarteira possa ter efeitos calmantes sobre os ânimos dos nativos. Honestamente não acredito na terapia. E suspeito que o maior pesadelo para um português em férias seja apanhar um governante à sua frente. Depois do desemprego, dos cortes salariais, do aumento dos impostos e da recessão instalada – será aconselhável mais esta agressão? Os ministros deviam de ignorar o conselho de Passos e tirar férias fora daqui. Até porque os portugueses, coitados, precisam de tirar férias deles.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados