SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 20 Junho 2021, 18:04

Uma mentira descarada

Enquanto se achar muita gracinha ao Ministro Vítor Gaspar, não se emendam as asneiras que faz, muitas, repetidas e com custos pesadíssimos para o País.

Na sua tournée pelos EUA, Vítor Gaspar não incluiu no reportório os números da execução orçamental. É certo que um verdadeiro artista põe de lado os falhanços e só mostra os êxitos, mas então, que anda a exibir o ministro das Finanças, se só há para ver o fiasco da sua política?

Se ninguém o parar e fizer mudar de rumo, este continuará a dar cabo do que resta da economia. Bruxelas faz o que fazia no tempo dos outros governos, vai dizendo que está tudo no bom caminho, e o Governo, herdeiro da ambição cavaquista de ser bom aluno da Europa, exibe a nota para consumo interno e para fazer esquecer a necessidade que houve de um Orçamento rectificativo logo no princípio do ano, a única solução para remendar as previsões erradas de Gaspar. Nada bate certo.

Diminuíram as receitas fiscais, aumentaram as despesas com as prestações sociais, a recessão está no dobro do previsto, o PIB foi o que mais caiu entre os 34 países da OCDE e o desemprego é o maior de sempre.

Obra do Ministro das Finanças e de uma austeridade que leva o País a ficar no osso, mas o Ministro Gaspar diz que não percebe, que a evolução do desemprego “não é de fácil interpretação” e que “é importante analisar a situação e as causas deste desvio”.

Quanto aos desempregados? Bem podem esperar… Gaspar é um teórico, um mau teórico, ao não ligar aos mais elementares efeitos recessivos das medidas que tomou.

Como os números descarrilaram, os cortes nos subsídios de Natal e de férias vão até 2015 e não até 2013, como disse antes. Foi um “lapso”, explicou Gaspar, “muito vagarosamente”, explorando o encanto que os indígenas vêem na fala ao retardador e nas construções gramaticais arrevesadas com que se faz interessante.

Pode ser que continue a resultar a gracinha, mesmo quando for um “lapso” ter dito que “Portugal vai crescer para o ano” ou que “não haverá mais austeridade”.

Em vez de reconhecer que a política de Gaspar falhou, o Governo entrou no mundo da Alice no País das Maravilhas.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados