SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 20 Junho 2021, 18:01

Francisco, o Operário

Morreu Francisco, o Operário.

Morreu Francisco Canais Rocha.

Torres Novas perdeu um grande Homem e um grande Amigo.

Sereno e humilde, foi um vencedor da vida, porque a viveu em plena harmonia e na defesa dos seus ideais. Antifascista movido por princípios, pagou caras as suas convicções e a sua coragem. A ditadura prendeu-o e durante anos o torturou barbaramente. Por causa disso, nunca lhe ouvi expressões de rancor ou revolta. Mas também por causa disso, teve uma saúde frágil, consequência dos tempos da cadeia.

Discreto na vida e na acção, foi assim que fundou uma das mais importantes instituições que Torres Novas viu nascer no Pós 25 de Abril, a ARPE. Foi um perno da instituição, que a todos respeitou e considerou. Nunca para a ARPE reclamou o que quer que fosse e muito menos exigiu “… se a Câmara puder ajudar… se a Câmara puder fazer…” era assim que o ouvia, sempre que com os seus colegas de direcção ia ao meu Gabinete. Quando ainda não há um ano, quase lhe exigiram para protestar porque a sede da instituição tardava em ficar concluída, recusou…não queria fazer política utilizando a ARPE…

E a Sede está lá, “também para ele”.

Canais Rocha tinha raízes crioulas.

O seu pai nasceu na ilha de Sto. Antão, em Cabo Verde, precisamente onde Torres Novas mantém cooperação lusófona. Foi o primeiro Secretário Geral da CGTP. Foi o príncipe do operariado e, também por isso, por muitos era admirado. Que o diga Carvalho da Silva, que muitas vezes vinha à cidade do Almonda para com ele matar saudades dos tempos, em que os tempos eram outros.

Canais Rocha foi sindicalista de referência e grande intelectual, discreto… quase envergonhado. Homem culto e profundo conhecedor da História do séc. XX, em particular a do operariado, Mestre em História Contemporânea, leva consigo conhecimentos e saberes invulgares.

Por deliberação do dia 30 de Setembro de 2003 foi homenageado pela Câmara Municipal de Torres Novas com a Medalha de Mérito Municipal da Cultura, que solenemente lhe foi entregue a 19 de Outubro do mesmo ano, em cerimónia realizada no Castelo da cidade.

Deste Homem que me deu muitos conselhos e alertas, terei sempre saudades, muito em especial do seu exemplo enquanto cidadão dos pobres.

Que descanse em Paz, meu bom Amigo.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados